Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/08/2006 - 22h40

Lino Rossi reconhece que recebeu eletrodomésticos de Vedoin

Publicidade

HUDSON CORRÊA
da Agência Folha, em Campo Grande

Campeão no recebimento de propina em troca de emendas ao Orçamento (cerca de R$ 3 milhões), segundo a CPI dos Sanguessugas, o deputado Lino Rossi (PP-MT) admitiu que recebeu do empresário Darci Vedoin --apontado como chefe do esquema-- colchões, camisetas, cestas básicas, cadeiras de rodas, eletrodomésticos e até 75 mil salsichas, além de um ônibus e uma carreta emprestados.

Conforme Rossi, os bens recebidos ou emprestados foram usados em campanhas de assistência social, em Mato Grosso, patrocinadas pelo programa de TV "Cadeia Neles", que o deputado apresentava em Cuiabá.

Rossi negou, porém, que tenha recebido propina em troca de emendas ao Orçamento.
"Estou na Serasa desde 2000. Eu não tenho dinheiro. Essa história de receber R$ 3 milhões não tem lógica. Um cara que recebe R$ 3 milhões e está na Serasa há seis anos tem que pegar prisão perpétua porque é vagabundo", afirmou.

"Mas ele [Darci] me ajudou muito. Deu muita cadeira de roda, muitos sacolões [cestas básicas], emprestou ônibus, uma carreta. Deu 75 mil salsichas e camisetas", afirmou. "Darci me deu 1.500 colchões. Deu mais de mil sacolões", acrescentou.

"Eu comprava um negócio. Ele ia lá e pagava o que eu pedia", contou ainda o deputado.
Luiz Antônio Vedoin, filho de Darci, diz que todo esquema começou com Rossi em 1999. O deputado apresentou à família Vedoin ao menos 19 congressistas, que entraram no esquema.

"Eu o apresentei ao Congresso, como apresentaria qualquer empresário que precisasse de ação política. Eu faria isso mesmo", disse Rossi.

A família Vedoin entregou 152 páginas de documentos à Justiça Federal para comprovar pagamento de propina ao deputado. Na relação estão comprovantes de pagamento de dívidas de Rossi, anotações de contabilidade, transferência de um Fiat Ducato para o deputado e depósitos de R$ 197 mil feitos diretamente na conta do deputado de 2000 a 2002.

Rossi diz ser amigo de Darci. O deputado afirmou que recebeu uma carta do empresário, quando este ainda estava preso (de maio a início de junho). "Ele falou da minha da amizade da lealdade como amigo." disse. Ainda conforme o deputado, Darci deu informações falsas à Justiça Federal sobre a máfia porque estava pressionado.

"A mãe [de Darci] não tinha o que comer. Bloquearam a conta dela. Os netos estavam na mão dos outros. Alguém oferece a ele [o benefício da delação premiada] e ele foi defender a família", disse Rossi. "Quando passar tudo isso, ele vai restabelecer a verdade."

Leia mais
  • CPI dos Sanguessugas denuncia 72 parlamentares; veja lista
  • CPI dos Sanguessugas absolve 18 parlamentares

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página