Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/08/2006 - 18h07

Aldo ironiza cobrança da oposição sobre fim do voto secreto

Publicidade

ANDREZA MATAIS
da Folha Online, em Brasília

O presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), ironizou hoje as críticas da oposição que o acusa de não incluir na pauta a votação da emenda constitucional que extingue o voto secreto no Congresso para beneficiar os parlamentares acusados de irregularidades.

Aldo disse que não se incomoda com as cobranças. "Tem que cobrar de mim mesmo, que sou o presidente da Câmara, senão eles vão cobrar de quem, do papa?", ironizou.

O assunto será discutido na próxima reunião de líderes, marcada para a primeira semana setembro, quando o Congresso faz um novo esforço concentrado. O presidente da Câmara disse que vai propor que a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) seja alterada para facilitar a votação.

A proposta de Rebelo é restringir o voto aberto aos casos de cassação de mandato. A matéria em discussão acaba com o sigilo do voto em todas as ocasiões, até mesmo para análise de veto presidencial e a eleição da Mesa Diretora.

Ele admitiu colocar o assunto em discussão no plenário, mesmo que não haja acordo entre os líderes, mas ressaltou que essa não é uma prática que adota no dia dia-a-dia. "Procuro sempre buscar o entendimento", disse.

Leia mais
  • CPI dos Sanguessugas denuncia 72 parlamentares; veja lista
  • CPI dos Sanguessugas absolve 18 parlamentares

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Enquete: os depoimentos dos empresários sanguessugas devem ser usados como provas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página