Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/08/2006 - 18h33

Executiva do PFL decide na terça se cassa registro de sanguessugas

Publicidade

ANDREZA MATAIS
GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

A executiva nacional do PFL se reúne na terça-feira para decidir o destino dos seis deputados do partido acusados pela CPI dos Sanguessugas de envolvimento com o máfia das ambulâncias. Todos foram submetidos à comissão de ética do partido, que deve recomendar a cassação dos registros das candidaturas deles nas eleições de outubro.

Segundo apurou a Folha Online, o relator dos processos, o presidente do PFL jovem, João Roma Neto, ainda não teria tomado uma decisão sobre os denunciados, mas a tendência é que sugira a cassação dos registros.

Um indicativo de que a decisão do partido deve ser dura é que a maioria dos parlamentares do PFL denunciados já foi proibido de participar do programa eleitoral. É o caso da deputada Laura Carneiro (PFL-RJ). Desde a semana passada, ela já não aparece mais entre os candidatos do PFL no horário eleitoral gratuito.

Dirigentes do partido ouvidos pela Folha Online pediram reserva, mas afirmaram que é quase certo que quem foi denunciado pela CPI terá que rasgar os santinhos da campanha.

Os deputados do PFL investigados são: Almir Moura (RJ), Celcita Pinheiro (MT), Laura Carneiro (RJ) , César Bandeira (PFL-MA), Cleuber Carneiro (MG), Marcos de Jesus (PE) e Robério Nunes (PFL-BA). Com exceção dos dois últimos, os demais são candidatos à reeleição.

Leia mais
  • CPI dos Sanguessugas denuncia 72 parlamentares; veja lista
  • CPI dos Sanguessugas absolve 18 parlamentares

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Enquete: você é a favor do fim do voto secreto?
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página