Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/09/2006 - 13h21

Tuma defende Renan de denúncia sobre informação privilegiada

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

O corregedor do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), saiu hoje em defesa do presidente do Senado, Renan Calheiros, e do diretor-geral da Casa Legislativa, Agaciel Maia, acusados de receberem informações privilegiadas da Polícia Federal na Operação Mão-de-Obra. Segundo Romeu Tuma, Calheiros foi informado horas antes sobre a diligência realizada no Senado Federal para a apreensão de documentos e computadores --como é praxe, de acordo com o corregedor, nas investigações policiais.

"Eu tenho certeza que o presidente não agiu de má fé. A Polícia Federal não podia vir aqui [ao Senado] trancar as portas. Quando um juiz determina uma diligência, a autoridade pode e deve cumprir essa diligência", disse Tuma.

Segundo o corregedor, Agaciel Maia era um funcionário da confiança de Calheiros, por isso o presidente do Senado o escolheu para acompanhar a atuação da PF na Casa Legislativa. "O presidente tem a dimensão de como se comportar. Como o diretor-geral é de confiança dele, não se pode a princípio levantar suspeitas sobre ele [Agaciel Maia]", afirmou.

Tuma disse que o aviso prévio sobre a diligência faz parte do "respeito ao outro poder". O corregedor defendeu mudanças na atual escolha de empresas que prestam serviço a Poderes Públicos --alvo da investigação da Operação Mão-de-Obra. "Tinha que haver pregão para que não ocorressem dúvidas na disputa de fornecedores de equipamentos ou terceirização", disse o senador.

Além do Senado Federal, a Operação Mão-de-Obra, deflagrada em julho deste ano pela PF, investigou outros cinco órgãos públicos suspeitos de fraudar licitações. A PF prendeu um funcionário público e cinco empresários acusados de desvios na escolha de empresas que prestavam serviços de limpeza e informática ao serviço público federal.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre a Operação Mão-de-Obra
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página