Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/09/2006 - 16h11

Lula aceita demissão de assessor acusado de envolvimento com dossiê anti-Serra

Publicidade

EPAMINONDAS NETO
da Folha Online

O Palácio do Planalto confirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversou nesta segunda-feira com Freud Godoy, assessor especial da Secretaria Particular da Presidência. O tempo da conversa e o teor da conversa não foram informados.

Segundo o Palácio, Freud pediu demissão hoje do cargo para o chefe de gabinete da Presidência, Giberto Carvalho. A exoneração de Godoy será publicada amanhã no "Diário Oficial" da União.

Freud teve seu nome envolvido no episódio da suposta compra de um dossiê contra o ex-ministro José Serra. Seu nome teria sido mencionado para a Polícia Federal por Gedimar Pereira Passos como o suposto responsável por repassar recursos para a compra do dossiê anti-Serra. "Eu não tenho nada a ver com isso, absolutamente nada", afirmou Freud por telefone para a Folha Online.

Ele se apresentou nesta segunda-feira para a PF para prestar esclarecimentos sobre o caso.

O caso

A PF prendeu em São Paulo na sexta-feira passada Valdebran Padilha da Silva, filiado ao PT do Mato Grosso, e Gedimar Pereira Passos. Junto com eles, a PF apreendeu cerca de R$ 1,7 milhão.

Em Cuiabá, a PF prendeu Luiz Antônio Vedoin, sócio da Planam (acusada de chefiar o esquema sanguessuga) e seu tio, Paulo Roberto Dalcol Trevisan. A pedido de Vedoin, Trevisan entregaria em São Paulo um dossiê --fitas de vídeo, fotografias, agenda e documentos-- contra Serra.

Em depoimento à PF, Gedimar disse que o dinheiro veio do PT. Mais tarde, informou que seu contato no PT era alguém chamado "Freud".

Especial
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página