Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/09/2006 - 12h00

Aécio cobra investigações sobre dossiê, mas pede cautela da oposição

Publicidade

da Folha Online

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves, candidato à reeleição pelo PSDB defendeu que a oposição tenha "cautela e serenidade" em relação ao episódio da suposta compra por pessoas ligadas ao PT de dossiê que comprovaria o envolvimento de membros do PSDB com a máfia dos sanguessugas. Aécio concedeu entrevista ontem à noite, em Belo Horizonte, na abertura de evento internacional sobre sustentabilidade.

Para Aécio, é preciso cobrar da Polícia Federal a investigação da origem dos R$ 1,7 milhão encontrados com membros do PT e qual seria, realmente, o seu uso. "Não surge um volume de recursos destes de um dia para a noite sem origem", afirmou.

O tucano diz que as notícias são "infelizmente, extremamente graves". Cauteloso, Aécio não citou diretamente o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas afirmou que o mais grave nesta crise é a aproximação das denúncias do Palácio do Planalto.

Sem crise

Aécio afastou a possibilidade de uma cisão do PSDB. "O PSDB ao contrário do que se buscou especular não tem crise. Quem está em crise hoje é o outro lado", comentou.

Referindo-se ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e ao candidato ao governo de São Paulo José Serra (PSDB), Aécio disse que cada membro do partido tem direito a ter sua opinião pessoal.

Reafirmando sua "ótima relação pessoal com o presidente Lula", o governador disse que é impossível falar em qualquer tipo de apoio ou concertação em torno de propostas de reformas. "Qualquer proposta agora eu acho que é no mínimo uma precipitação, porque antecipa o resultado eleitoral, que eu acho que não está claro ainda", disse.

Especial
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página