Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
31/10/2006 - 19h08

Serra diz que não vai vender ações do banco Nossa Caixa

Publicidade

EPAMINONDAS NETO
da Folha Online

O governador eleito de São Paulo, José Serra, disse hoje que não vai vender a parcela de 20% das ações do banco estadual Nossa Caixa, proposta prevista ainda no orçamento deste ano, preparado no governo de Geraldo Alckmin, candidato derrotado do PSDB à Presidência.

A venda de ações provocou uma polêmica ainda durante a campanha eleitoral, quando o atual governador Cláudio Lembo, primeiro afirmou que daria seqüência à operação, mas recuou. Prevista no Orçamento como fonte de R$ 800 milhões, a venda estava programada para o último dia 16 deste mês, como forma de sanar as dívidas do Estado.

"Nós não iremos vender as ações da Nossa Caixa. Nós vamos equilibrar o orçamento de São Paulo de outras formas técnicas e dentro das possibilidades orçamentárias", afirmou o pefelista no início do mês, supostamente atendendo um pedido da equipe de Serra.

"A situação financeira do Estado, em termos amplos, é boa. Não é nada parecido com a situação que eu encontrei quando secretário do governador Montoro [1983-1986], ou que encontrei na Prefeitura de São Paulo. O que houve foi uma decepção de receitas, por conta da menor inflação e do menor crescimento da economia", comentou Serra, quando questionado sobre a gestão das contas do Estado. Até setembro, o governo estadual tinha um déficit de R$ 1,2 bilhão, que foi enfrentado por Lembo com um programa de contenção de gastos.

"Não vejo que isso [o déficit] traga grandes dificuldades para o futuro. Se você olhar o montante, o déficit é muito pequeno face ao total do orçamento do Estado", acrescentou.

Metrô

Os problemas financeiros do Estado devem preencher a agenda do governador recém-eleito nos próximos dias. Serra confirmou que vai viajar para Washington amanhã ou no dia seguinte para tratar do financiamento do Banco Mundial para a ampliação do metrô paulista.

Segundo o governador, a variação da taxa de câmbio trouxe problemas para a operação de empréstimo, que foi acertada por um preço da moeda americana acima do atual (R$ 2,14).

Em 2004, o Banco Mundial, junto com o banco japonês JBIC acertou um financiamento de US$ 209 milhões para o projeto da linha 4 do Metrô, na cidade de São Paulo.

Ainda sobre obras estaduais, o governador eleito afirmou que espera contar com a ajuda federal para a conclusão do Rodoanel. "O Rodoanel é vital para estimular a exportação, porque hoje temos um gargalo no transporte, que é dado pela região da Grande São Paulo", disse ele.

"Não acredito que o governo Lula vá fazer discriminação contra São Paulo", acrescentou.

Especial
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página