Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/07/2005 - 10h02

Pesquisadores descobrem preguiças gigantes em caverna na Bahia

Publicidade

da Folha de S. Paulo

Com as mãos ainda meio empapadas de sedimento úmido, o paleontólogo Cástor Cartelle Guerra mal consegue conter um sorriso malandro ao mostrar aos visitantes o tesouro que vem amealhando depois de algumas semanas de escavação.

"Essa aqui ainda era de menor", diz, errando de propósito no português, "e provavelmente era uma linda menina."

Um desavisado provavelmente ia coçar a cabeça em total incredulidade diante de uma frase dessas: afinal, a expressão "de menor" se refere a um úmero (o osso do antebraço) ridiculamente maciço, com 1,5 m. E a "mocinha" em questão é uma preguiça gigante.

Mauro Chagas, colega de Cartelle na PUC (Pontifícia Universidade Católica) de Minas Gerais e curador de paleontologia de mamíferos no museu da instituição, logo explica a piada.

As extremidades dos ossos do bicho (que devia ter uns 4,5 m de comprimento e várias toneladas quando vivo) ainda não estavam totalmente soldadas quando ele morreu --ainda havia tecido cartilaginoso na ponta, o que significa que a "garota" ainda estava em fase de crescimento antes de partir desta para uma melhor. Talvez atingisse os 6 m pelos quais sua espécie, a Eremotherium laurillardi, é famosa.

Um esqueleto praticamente completo desse bicho de cinco toneladas é o achado que mais chama a atenção entre os feitos pelos pesquisadores numa caverna da chapada Diamantina, no interior da Bahia --mas nem de longe é o mais significativo. Cartelle, Chagas e seus colegas estão tirando do Poço Azul, como é conhecido o sítio do município de Nova Redenção, um verdadeiro zoológico brasileiro da Era do Gelo. São quatro espécies só de preguiças gigantes --duas das quais devem ganhar novas denominações científicas graças aos fósseis da gruta, afirmam os pesquisadores.

Além da reviravolta científica, a equipe também é a estrela de um documentário atualmente em produção, "O Brasil da Pré-História - Expedição Preguiça Gigante". Com os novos achados do Poço Azul e as reconstruções digitais da criatura que o filme incluirá, tudo indica que esses animais majestosos serão trazidos de volta à vida com um grau de detalhe sem precedentes.

Embora nem uma só espécie tenha sobrado para contar a história hoje, as preguiças gigantes, ou terrícolas (de hábitos terrestres), como também são chamadas, são um dos grupos mais diversificados e bem-sucedidos entre os mamíferos das Américas. Aliás, pode-se dizer que são produto genuinamente nacional (ou, pelo menos, sul-americano), já que evoluíram no Brasil e nos países vizinhos quando a América do Sul ainda era um continente-ilha.

Dos primeiros registros fósseis no Eoceno (há 50 milhões de anos), o grupo foi crescendo em tamanho e variedade. Durante o lento processo geológico no qual a América Central surgiu, formando uma ponte entre a América do Sul e a América do Norte, os mamíferos dos dois continentes participaram de um gigantesco troca-troca, o chamado Grande Intercâmbio Faunístico, cujo auge aconteceu há uns 3 milhões de anos.

Perde-ganha

Nessa brincadeira, os vizinhos do sul, em sua maioria, é que levaram a pior, caçados por novos predadores como onças, ursos e dentes-de-sabre ou tendo de enfrentar a competição de herbívoros como cavalos e camelos. A brilhante exceção foram as preguiças, que acabaram colonizando boa parte dos atuais Estados Unidos e Canadá, junto com alguns outros bichos sulinos, como os tatus.

Não há prova mais clara dessa versatilidade evolutiva do que a "escadinha" de preguiças tirada do Poço Azul pela equipe. Da grandalhona Eremotherium, com volume ("embora não as proporções do corpo", ressalva Cartelle) de um elefante africano moderno, chega-se à relativamente diminuta Nothrotherium, que tinha o tamanho de uma ovelha e não passava dos 50 kg.

A "escadinha" também inclui duas espécies com dimensões intermediárias, entre um boi e um burro modernos, que estão sendo revistas por Chagas, Cartelle e seu colega canadense Gerry De Iuliis, da Universidade de Toronto. O conjunto é uma boa amostra da fauna do cerrado no fim do Pleistoceno (a Era Glacial, que se encerrou há apenas 10 mil anos) e está acompanhado de mais dez espécies extintas e modernas já recuperadas do Poço Azul.

Os tamanhos variados também são um indício de estilos de vida diferentes, embora todos os bichos fossem herbívoros lentos e pacíficos. Em geral, vagariam pelo chão, sobre quatro patas, mas seriam capazes de ficar eretas com a ajuda da cauda. As grandes garras do Eremotherium ajudariam na defesa e para arrancar galhos e folhas das árvores.

Cartelle afirma que uma das espécies "redefinidas" pelos achados deverá pertencer ao gênero Valgipes, enquanto a outra ainda deverá ser definida. "Paciência de Jó" é uma expressão até suave para qualificar o trabalho: segundo o paleontólogo da PUC-Minas, ele já conhecia o crânio de uma das espécies novas há mais de dez anos, mas preferiu esperar esse tempo todo para finalmente ser recompensado com as descobertas na chapada, entre elas as mãos e os pés do bicho.

A vantagem é que a definição de espécie se torna mais abrangente e confiável do que costumava ser nos tempos heróicos (bem, não tão heróicos) da paleontologia.

"Antigamente, era mania você sair dando nome a qualquer ossinho. Isso não está mais com nada", debocha Cartelle. A mania, aliás, chegou a produzir alguns momentos no mínimo bizarros. Basta dizer que a espécie Valgipes deformis foi originalmente batizada, nos idos de 1864, com base num único calcâneo (osso do pé), que ainda por cima era considerado deformado (daí o nome de espécie do bicho em latim). Já a também brasileira Catonyx cuvieri chegou a ter nada menos que 40 nomes diferentes por causa da obsessão por batizar caquinhos de fósseis.

Está tudo nos dentes

As mandíbulas praticamente completas de Eremotherium vindas do lago também ajudam a mostrar porque as preguiças estavam entre os herbívoros mais bem-sucedidos de seu tempo. Os dentes, enormes e sem esmalte, cresciam sem parar e tinham raiz aberta. Os de cima, em formato de cunha dupla, se encaixavam exatamente nos de baixo, formando a plataforma ideal para prensar vegetais --principalmente grama, na opinião de Cartelle.

Depois de vasculhar a bancada, Chagas volta com outro tesouro: o martelo e a bigorna, ossinhos do ouvido médio do bicho. São os ossos definidores de todos os mamíferos, já que não existem entre os répteis --e a prova de que a "mocinha" era parente de um certo Homo sapiens.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre preguiças gigantes
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página