Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/04/2007 - 20h57

WWF alerta para risco de extinção de leopardo no leste da Rússia

Publicidade

da Folha Online

O WWF (Fundo Mundial para a Natureza) pediu ao governo da Rússia nesta quarta-feira que crie uma reserva nacional no extremo leste do país para proteger o leopardo amur, espécie ameaçada de extinção.

Segundo um censo realizado por cientistas americanos e russos, existem apenas entre 24 e 35 leopardos amur (Panthera pardus orientalis) vivendo no seu habitat, que se espalha por três reservas localizadas perto da fronteira com a China e ao longo do rio Amur.

A contagem foi feita em uma faixa de território de pelo menos 5.000 quilômetros quadrados, na região de Primorie, na fronteira com a China, segundo Pavel Fomenko, diretor do Instituto de Geografia do Pacífico.

Igor Tchestine, chefe do braço russo do WWF, disse que o governo poderia criar uma reserva de mais de 200 mil hectares. "Os zoológicos possuem centenas de leopardos amur que poderiam ser soltos", afirmou.

O felino habitava as florestas da Rússia, China e Coréia do Norte, mas a caça ilegal, o desmatamento e outras atividades humanas limitaram seu habitat a uma área de 400 mil hectares nas florestas ao redor do lago Jasan, em Primorie.

Quando adulto, o macho pode alcançar 1,70 metro de comprimento e pesar até 60 kg. A subespécie de leopardo é a que vive mais ao norte do globo.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e o WWF financiam a Reserva de Biosfera Kedrovaya, em Primorie. O local pretende ajudar a proteger espécies naturais em risco de extinção, dentre as quais o leopardo.

Com agências internacionais

Leia mais
  • DNA revela nova espécie de leopardo em Bornéu e Sumatra
  • Família na Índia encontra leopardo no banheiro

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre leopardos
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página