Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/03/2001 - 19h03

Veja íntegra do comunicado da CUT sobre explosão da plataforma P-36

Publicidade

da Folha Online

A CUT divulgou hoje uma nota criticando a Petrobras e culpando a estatal pela explosão.

Veja íntegra da nota:

"A explosão da plataforma P-36 põe a nu, mais uma vez, a irresponsabilidade com que a administração da Petrobras trata os trabalhadores.

Nos últimos três anos, 81 petroleiros perderam a vida em acidentes na Petrobras. Destes, 66 eram trabalhadores de empresas prestadoras de serviço. Um quadro que, apesar de não incluir ainda as vítimas da explosão na P-36, revela a inconcebível média de duas mortes por mês nas unidades da estatal. E apesar do Ministério Público estar investigando essas mortes, nenhuma providência foi tomada até então.

Mas o que mais impressiona são as declarações de autoridades preocupadas com a auto-suficiência e com créditos para o futuro. A morte de trabalhadores, de pais e mães de família, para essas autoridades, não passam de um lamentável, mas normal, acidente.

Lamentável e mesmo criminoso é subordinar vidas humanas aos interesses econômicos, é negligenciar o risco inerente à indústria petrolífera, impondo uma terceirização desqualificada, em detrimento de trabalhadores próprios, adequadamente treinados.

Quantas mortes mais terão que ocorrer para que as autoridades do país reconheçam que sua política para Petrobras precisa mudar?

A CUT solidariza-se com os trabalhadores atingidos por mais essa tragédia, e suas famílias, exige a apuração das responsabilidades e endossa a mobilização nacional, convocada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) para esta sexta-feira, quando os petroleiros de todo o país estarão atrasando a entrada do expediente e concentrando-se nas portas das unidades, exigindo melhores condições de trabalho e segurança, realização de concurso público, reposição do efetivo e o cumprimento das Normas Regulamentadoras 9 e 5 NR-9 e NR-5 que garantem ao trabalhador o direito de recusar-se a trabalhar em caso de risco de acidente."
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página