Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/09/2007 - 10h51

Trabalho infantil na China se agrava, diz ONG

Publicidade

da Efe, em Hong Kong

O problema do trabalho infantil na China é agravado pela pobreza, por brechas legais e por erros no sistema educacional rural, denuncia a ONG CLB (China Labour Bulletin), com sede em Hong Kong, em seu relatório de setembro.

O documento "Mãos Pequenas: um relatório sobre o trabalho infantil na China", chega pouco depois da divulgação de casos de crianças que trabalhavam em regime de escravidão em fábricas de tijolos.

O estudo, baseado em dados recolhidos em 2005, diz que as indústrias eletrônica, têxtil, alimentícia, de plásticos e de brinquedos são as que mais utilizam a mão-de-obra infantil --especialmente de meninas, que são menos escolarizadas.

A análise da CLB aborda tanto o problema da demanda de mão-de-obra infantil, ligada a uma questão salarial, de maior cooperação e maior produtividade que os adultos em alguns trabalhos; quanto o do fornecimento da mesma, relacionado à educação.

Segundo um estudo de 2006 do governo chinês, um terço dos imigrantes rurais chineses ganhava menos de 500 yuans (US$ 66) mensais; em torno de 40% entre 500 e 800 yuans, e só menos de um terço ganhava mais de 800 yuans por mês.

As crianças ouvidas para o estudo recebiam de 300 a 600 yuans mensais.

A CLB afirma que a China investe em educação apenas 2,7% do seu PIB (Produto Interno Bruto) --menos da metade do valor recomendado pela ONU. Isso faz com que nas regiões mais pobres do país os pais sejam responsáveis por pagar a educação dos filhos, sem ou com muito pouca ajuda do Estado.

A porcentagem de abandono nas escolas primárias de alguma destas áreas chega a 40%, número muito superior aos 2,5% alegados pelas autoridades de Educação.

O estudo lembra que as crianças não sabem como defender seus interesses e, portanto obtêm pagamentos geralmente inferiores, trabalham mais horas e vivem em condições piores que os adultos.

Acompanhe as notícias em seu celular: digite o endereço wap.folha.com.br

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página