Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/09/2003 - 16h16

Ex-funcionários do Mappin querem assumir loja da praça Ramos

Publicidade

FABIANA FUTEMA
da Folha Online

Os ex-funcionários do Mappin querem assumir o prédio da loja da praça Ramos de Azevedo, localizada na região central de São Paulo.

A loja, que foi rebatizada com o nome de Extra pelo grupo Pão de Açúcar, fechará as portas no dia 30. O Pão de Açúcar havia assumido as operações em novembro de 1999, após a Justiça decretar a falência do Mappin em julho do mesmo ano.

Segundo o presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, Ricardo Patah, os ex-funcionários querem montar uma cooperativa, assumir a loja e manter o direito de uso da marca Mappin.

"Só precisamos ver se a Justiça nos autoriza a montar a cooperativa e a usar a marca Mappin", disse Patah.

Aluguel caro

Patah disse que a loja da praça Ramos de Azevedo faz parte da história do varejo de São Paulo. A loja foi inaugurada em 1939.

No entanto, o sindicalista disse que o aluguel do prédio é o maior empecilho para a criação da cooperativa interessada em assumir o prédio. O aluguel é calculado em R$ 600 mil por mês.

"O valor é muito alto. Levando em conta que não existem outros interessados no local, o preço poderia ser reduzido", disse ele.

Pão de Açúcar

O grupo Pão de Açúcar --dono da bandeira Extra-- informou que a loja da praça Ramos será fechada por motivos financeiros. A baixa rentabilidade da loja não compensa os custos de manutenção do ponto de venda.

Além disso, pesquisa feita entre os clientes mostrou que a loja não atendia mais aos padrões de qualidade que devem fazer parte de todas as bandeiras do grupo.

Para 94% dos clientes, o estacionamento é considerado um item importante na escolha do local para se fazer compras. E a loja da praça Ramos está localizada num local onde não é possível fazer obras de ampliação para construção de um estacionamento.

Transferência de funcionários

O grupo Pão de Açúcar informou que os 330 funcionários do Extra da praça Ramos continuarão a fazer parte do quadro de pessoal da companhia.

Segundo o grupo, todos serão transferidos para outras unidades do grupo, levando em consideração critérios como a proximidade entre sua casa e o novo local de trabalho.

O Extra --que tem 38 lojas no Estado de São Paulo-- abrirá mais dois hipermercados até dezembro: Ricardo Jafet (zona sul) e São Miguel (zona leste). Outra loja será inaugurada em Pilares, no Rio.

Leia mais
  • Ex-funcionários querem assumir Mappin da praça Ramos
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página