Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/04/2006 - 09h07

Método de ensino não determina sucesso

Publicidade

ANTÔNIO GOIS
da Folha de S.Paulo, no Rio

Não é o método de alfabetização que determina o sucesso ou o fracasso escolar. Alunos de colégios construtivistas aprendem tanto na primeira série quanto os de unidades que priorizam o método fônico, baseado na associação entre letras e sons. O problema parece estar menos nos anos iniciais da alfabetização e mais na consolidação desse processo.

É o que mostram as primeiras evidências de estudo que acompanha a mesma geração de 19 mil alunos, ano a ano, da primeira a quarta séries do ensino fundamental. A pesquisa está sendo desenvolvida no Rio, em Belo Horizonte, em Campinas, em Salvador e em Campo Grande por seis universidades (PUC-Rio, UFMG, Unicamp, UFBA, Uems e UFJF).

Batizado de Geres (Geração Escolar), tenta identificar as causas do pífio desempenho no Saeb (exame do governo federal que avalia a educação). Em 2003, a prova mostrou que apenas 4,8% dos alunos da quarta série tinham desempenho adequado.

O debate entre os defensores de cada método reacendeu-se neste ano, após o ministro Fernando Haddad (Educação) defender a revisão dos Parâmetros Curriculares Nacionais.

Os defensores do método fônico dizem que países desenvolvidos o adotam porque seria mais eficaz. Já os construtivistas afirmam que não se pode culpar o método pelos maus resultados.

Para Creso Franco e Alícia Bonamino, pesquisadores da PUC e coordenadores do Geres no Rio, os primeiros resultados, das turmas de primeira série de escolas públicas apenas, sugerem que essa "guerra da alfabetização" tem produzido mais calor do que luz.

Com um questionário, os pesquisadores identificaram a abordagem usada em sala. Em alguns casos, houve acompanhamento de uma aula. Analisando só o desempenho no fim do ano, os testes indicaram que a média dos alunos de escolas construtivistas era maior que a dos alfabetizados pelo método fônico. Ao comparar o desempenho final com o do início do ano letivo, porém, perceberam que o melhor resultado do construtivismo acontecia só porque os alunos dessas turmas entravam com nível superior.

Quando foi levado em conta também o desempenho inicial, os dados mostraram que não houve diferença significativa no aprendizado em escolas construtivistas ou fônicas. O melhor resultado apareceu em turmas onde professores usavam as duas abordagens. Mesmo assim, as variações ficaram dentro da margem de erro.

"Os resultados não indicam a superioridade de um método. Houve resultados bons e ruins em turmas com abordagens construtivistas, fônicas ou híbridas. Os dados apontaram que a abordagem híbrida pode apresentar alguma vantagem, mas isso precisa ser mais bem analisado", explicam os coordenadores.

Outra conclusão inicial do projeto --financiado por Fundação Ford, Ministério da Ciência e Tecnologia e Faperj-- é que a hipótese de que o fracasso no Saeb começava desde cedo, com deficiências no processo inicial de alfabetização, não se confirmou.

Para chegar a essa conclusão, a pesquisa classificou sete níveis de interpretação de textos (de 1 a 7). No teste aplicado aos alunos no início do ano letivo, 53% deles estavam nos três níveis mais baixos de aprendizado (1, 2 e 3). No final do ano letivo, o percentual caiu para 21%. "Esse resultado sugere que o problema concentra-se mais na consolidação do processo de alfabetização. Nossa hipótese, que precisará ser testada, é que a escola, em vez de consolidar um promissor processo de alfabetização, dispersa as atividades com temas pouco relevantes ligados à gramática", disse Franco.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Saeb
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página