Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/02/2001 - 10h51

Trote solidário ganha força nas universidades de São Paulo

AUGUSTO PINHEIRO
da Folha de S.Paulo

Neste período de início das aulas, a onda de "trotes solidários", que beneficiam diversas instituições, ganha força como forma de recepcionar os calouros.

Na Faculdade de Medicina da USP, os novos alunos serão convidados a doar alimentos e roupas pessoalmente para algumas ONGs que trabalham na área de saúde, como a Ação Criança Brasil, Aldeias Infantis SOS e a Associação dos Diabéticos Juvenis.

"As visitas têm como objetivo colocar o calouro em contato com essa realidade e, talvez, despertar o interesse para continuar ajudando", explica Fábio do Espírito Santo, 22, presidente do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz, que participa da organização da semana de recepção, que acontece entre os próximos dias 19 e 23.

Depois da morte do estudante Edison Hsueh, em 1999, durante um trote na própria faculdade, Fábio conta que existe uma preocupação maior com a segurança dos calouros. "Como no ano passado, manteremos a piscina (onde Edison morreu afogado) fechada durante o churrasco de confraternização", diz. Entre outras atividades, haverá ainda uma campanha em que os calouros poderão doar sangue.

Essa iniciativa também foi adotada pela FEI (Faculdade de Engenharia Industrial), em São Bernardo do Campo (SP), em parceria com a Fundação Pró-Sangue. "A idéia é mudar o conceito de trote: queremos que seja algo legal, agradável e produtivo em termos sociais", explica Anselmo Ribeiro Andriolo, 25, vice-presidente do CA e presidente da empresa júnior da faculdade. O trote da FEI acontece hoje, entre 9h e 17h, e pessoas da comunidade também podem participar doando sangue.

Além de receber doações de sangue, o Centro Acadêmico 22 de Agosto, do curso de direito da PUC-SP, promoverá a pintura de creches -tudo no início de março. "Nós compramos as tintas para os calouros pintarem. Queremos aproveitar a empolgação deles para prestar um serviço à comunidade", explica Maurício Valneiros, 22, primeiro-tesoureiro do CA.

Já o DCE (Diretório Central dos Estudantes) da Universidade Mackenzie fará as Mack Calouríadas, com gincana e atividades solidárias. "Vamos recolher roupas, alimentos ou material de higiene para doar para instituições. Em troca, os estudantes ganharão uma camiseta. É mais um incentivo para a contribuição", diz Juliana Farah, 21, vice-presidente educacional do DCE.

Além disso, os calouros serão convidados a visitar essas instituições e a responder um questionário sobre elas. "Assim, ficam mais envolvidos", diz Juliana. Mas as brincadeiras também estão incluídas: depois de contribuir com a sociedade, os calouros poderão participar da gincana, com corrida do saco e dança da laranja.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página