Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/10/2000 - 11h35

RESUMÃO/PORTUGUÊS: Como surgem as palavras

THAÍS NICOLETI DE CAMARGO
especial para a Folha de S.Paulo

As línguas, como as civilizações, têm história. Isso quer dizer que são processos sujeitos a transformações. Desse enfoque se ocupa a gramática histórica e, em particular, a etimologia, que é o estudo da origem das palavras. Determinar com precisão o nascedouro das palavras é tarefa das mais difíceis e nem sempre levada a termo.

Muitas vezes depara o estudioso com a ausência de documentação, caso dos muitos vocábulos de feição nitidamente popular. O verbo "pifar", sinônimo de "enguiçar" ou "falhar", segundo o professor Gladstone Chaves de Melo, teria nascido da onomatopéia do ruído emitido por um carro com carburador desregulado. E prova da vitalidade da palavra é que, mesmo tendo a tecnologia aposentado o carburador, tão bem substituído pela injeção eletrônica, continuam os carros a pifar por diferentes motivos.

Há nomes próprios que se convertem em nomes comuns. Quantas vezes você já terá empregado o nome "Aurélio", do nosso conhecido dicionarista, como um sinônimo da obra que o tornou tão famoso? Chamar um dicionário, qualquer um, de "aurélio" é lançar mão de um dos mais vitais processos de formação de palavras da língua, a derivação imprópria. É o caso da lâmina de barbear, a "gilete", que tomou emprestado o sobrenome de seu inventor. "Carrasco" vem do nome de um algoz que teria vivido em Lisboa na Idade Média.

A palavra "embora" tem sua origem na locução "em boa hora" (Vá-se "embora"). Três radicais se aglutinaram, concorrendo para a sua formação. É o mesmo que ocorre com "fidalgo", na origem "filho d'alikon", o quinhão sagrado da terra, entre os muçulmanos. "Fonseca" vem de "fonte seca"; "morcego", de "rato (mur) cego".

Muitos de nós já tivemos sarampo. Pois saiba que o nome original da doença é "sarampão". É possível que o povo tenha confundido a terminação da palavra com o sufixo "-ão", de aumentativo, e, considerando-o desnecessário, feito o seu talho.

A esse processo chamamos derivação regressiva. A palavra sofre um encolhimento por supressão de sufixo (falso ou vedadeiro). Tal comportamento é mais comum entre verbos que dão origem a substantivos. De "combater", fazemos "combate"; de "lutar", "luta", entre muitos outros.

Em alguns casos, o deverbal (substantivo derivado de verbo) convive com uma forma correlata, não raro operando distinção de uso. De "conservar", nascem "conservação" e o regressivo "conserva"; de "levantar", temos "levantamento" e "levante". O tema é dos mais fascinantes dentro do estudo de uma língua. Vale a pena continuar na próxima.

Thaís Nicoleti de Camargo é consultora de língua portuguesa da Folha e apresentadora das aulas de gramática do programa "Vestibulando", da TV Cultura

Leia mais sobre vestibular no Fovest Online

Leia mais notícias de educação na Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página