Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/07/2002 - 21h06

Poeta Patativa do Assaré morre no Ceará aos 93 anos

Publicidade

KAMILA FERNANDES
da Agência Folha em Fortaleza

Morreu hoje, aos 93 anos de idade, o poeta Antonio Gonçalves da Silva, o Patativa do Assaré. Um dos maiores nomes da poesia popular do Brasil, Patativa morreu em sua casa, em Assaré, no interior do Ceará.

Divulgação
Poeta Patativa do Assaré
O poeta teve falência múltipla dos órgãos após ter sofrido com uma pneumonia dupla, uma infecção na vesícula e problemas renais. O estado de saúde de Patativa piorou no último sábado, quando ele passou a respirar com a ajuda de um balão de oxigênio. O enterro está marcado para amanhã, às 17 horas, no cemitério São João Batista, em Assaré.

Este ano, Patativa já havia sido internado três vezes com problemas pulmonares e na vesícula.

Nascido no dia 5 de março de 1909, Patativa perdeu um lado da visão aos quatro anos de idade e, aos oito, ficou órfão de pai. A improvisação de versos de cordel começou aos 17 anos, quando passou a se apresentar em festas da região do Cariri, no sul do Ceará.

Além de poeta, Patativa era lavrador e aproveitava os momentos em que estava trabalhando na terra para criar. Autodidata, o poeta frequentou a escola durante quatro meses apenas.

O primeiro livro, de 1956, foi "Inspiração Nordestina". Oito anos depois, em 1964, o cantor e compositor Luiz Gonzaga musicou "A Triste Partida", tornando o poeta cearense conhecido nacionalmente.

A principal temática de Patativa era a seca e a terra onde vivia, mas as poesias bem-humoradas e as histórias pitorescas da vida sertaneja também estão presentes em seus poemas.

Patativa também atuou politicamente, chegando a ser perseguido durante o regime militar. Em 1984, participou da campanha das "Diretas-Já".
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página