Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/05/2003 - 03h31

Cartas são exegese da obra de Guimarães Rosa

MARCELO PEN
Crítico da Folha de S.Paulo

"Tomo a bênção, Mestre Guima." Foi com essa frase que o professor italiano Edoardo Bizzarri se dirigiu ao escritor brasileiro João Guimarães Rosa (1908-1967), quando viu concluída sua tradução de "Corpo de Baile" para a editora Feltrinelli. O livro foi publicado na Itália em 1964, num único volume, com o título de "Corpo di Ballo".

A referência ao único volume é pertinente, já que, no Brasil e em outros países, a obra começava a ser repartida em três tomos. Bizzarri não só a traduziu inteira, como a traduziu em parcos sete meses. Quem conhece a complexidade linguística de "Corpo de Baile", sabe o feito que foi.

Para fazer frente aos inúmeros desafios, Bizzarri manteve correspondência contínua com Guimarães Rosa. Cinco anos após a morte do escritor, as cartas transformaram-se neste livro, relançado nos anos 80 e há tempos esgotado. Pode-se dizer que, tirantes aspectos menores, elas representam tanto a história de uma tradução quanto a exegese de uma obra de acordo com seu próprio autor.

O primeiro aspecto, o da história, principia antes mesmo da correspondência, quando se dá o único encontro entre Bizzarri e Guimarães Rosa, "numa noite de 1957", no nº 51 da rua General Jardim, em São Paulo. O mineiro está ali para receber um prêmio e o italiano faz parte do júri.

Dois anos depois, Bizzarri pede permissão para traduzir um dos contos de "Sagarana" para um periódico ítalo-brasileiro. Guimarães Rosa não poupa elogios a esse trabalho e, mais tarde conhecendo a tradução de "Vidas Secas" feita pelo italiano (que já trasladara Melville, Henry James e Faulkner ao idioma de Dante), propõe seu nome à Feltrinelli para a versão de "Corpo de Baile".

As cartas abrangem o período de pré-tradução, o trabalho da versão propriamente dita e a fase posterior, quando Guimarães sugere que Bizzarri se ocupe também de "Grande Sertão: Veredas" (que o italiano posteriormente traduz). Chegando até um mês antes da morte do romancista, em 1967, elas mostram particularidades biográficas, como a zanga do italiano com a Feltrinelli, que lhe pedira um teste de tradução, ou a preocupação do mineiro com o discurso de posse na Academia Brasileira de Letras.

Mas é do estágio da tradução que emerge o segundo aspecto importante da correspondência: a interpretação que o escritor oferece não apenas de "Corpo de Baile", como de toda sua obra. Quando Bizzarri pede guarida ao romancista em sua "luta com o concreto, o exótico, o termo em seu sentido material e na sua ligação etimológica", Guimarães Rosa lhe presta um auxílio mais que generoso.

Em longas listas, o mineiro resolve dúvidas acerca de costumes, de nomes da fauna e da flora (sua descrição das veredas como oásis é magistral), discorre sobre locais, ditados, esclarece neologismos e palavras de base onomatopaica e, de quebra, revela qual é a melhor cachaça (a Januária). Como expressa Bizzarri, a ajuda representa "grande valor de orientação poética, ainda mais que lexical".

Mas Guimarães vai além. Explica as alusões dantescas e apocalípticas de "Dão-Lalalão" e fala das correspondências astrológicas em "O Recado do Morro". Medita sobre o "trabalho quase mediúnico" em que redigiu suas obras, rejeitando a "megera cartesiana" para se alinhar ao "Tao", aos "Vedas" e "Upanixades", aos Evangelistas e a Bergson. Segundo o autor, em ordem crescente de importância, em seus livros classificam-se: o cenário e a realidade sertaneja, o enredo, a poesia e o valor metafísico-religioso.

O "dialogar profundo e estimulante" com Bizzarri surtiu efeito. Chamada de "veramente miracolosa" pela imprensa italiana, a tradução ganhou elogios até de Ungaretti. Mestre Guima também se entusiasmou, observando que "quem quiser realmente ler e entender Guimarães Rosa, depois, terá de ir às edições italianas". Ou então, quem não dispõe delas, sempre pode recorrer a essa "Correspondência".

Avaliação:

Correspondência com Seu Tradutor Italiano, Edoardo Bizzarri
Autor: João Guimarães Rosa
Editora: Nova Fronteira
Quanto: R$ 35 (208 págs.)

Especial
  • Saiba mais sobre a Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página