Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/08/2000 - 19h21

"Eu Tu Eles" é inspirado em história real de mulher e 3 maridos

Publicidade

MARCELO BARTOLOMEI
enviado especial a Morada Nova (CE)

Na vida real, a história de "Eu Tu Eles" é de uma mulher sofrida, mas nem um pouco abalada. Tem força e coragem, enfrentou o machismo do Nordeste e viveu durante 17 anos sob o mesmo teto com três maridos no interior do Ceará. Histórias de homens que vivem com mais de uma mulher são comuns. A dela, no entanto, é rara.

Folha Imagem
Veja fotos
Marlene Sabóia, a "real"
Maria Marlene Silva Sabóia, cearense nascida em Jaguaribe Mirim, tem 54 anos e não se arrepende do que fez. "Faria de novo", diz. Marlene inspirou a história do filme, dirigido por Andrucha Waddington, em exibição a partir de agosto nos cinemas brasileiros.

Mãe de sete filhos, um deles adotado, ela se mantém com a produção rural em um terreno da família e o trabalho das próprias mãos no distrito de Quixelô, pequeno vilarejo distante 36 quilômetros de Morada Nova (CE). A chegada -ou saída- de sua casa é árdua: são 160 km de Fortaleza, mais 36 km de Morada Nova, mais 8 km de terra até sua pequena casa, feita de barro e tijolos, com chão de cimento e pintada de branco, onde se vive sob um sol de 35ºC.

Para ela, viver com três maridos foi surpresa do destino. Entre os homens, houve cumplicidade. Nenhum foi capaz de brigar por ela ou brigar com ela por causa da situação. Os homens foram chegando e se juntando à família, acolhidos por filhos e maridos. Marlene, como é mais conhecida, viveu com Oscar Sabóia da Silva, 69, Francisco Sabóia, 70, e José Eduardo Barbosa, 41. Zé, o último marido a se instalar na casa, foi embora em 1997 depois de brigar com um dos filhos de Marlene e nunca mais se ouviu falar dele.

  Leia os principais trechos da entrevista   - 1 - 2 - 3 -

  • Saiba onde fica Quixelô (CE)

    Leia mais:

  • Veja mais notícias sobre "Eu Tu Eles"
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página