Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/04/2006 - 11h16

Antropólogo faz documentário sobre headbangers

Publicidade

da Folha Online

Seis anos atrás, o antropólogo Sam Dunn, 30, mudou o foco de sua pesquisa. Deixou de lado os refugiados guatemaltecos e se fixou nos fãs de heavy metal. Apreciador do gênero desde os 10 anos de idade, ele agora co-dirige um documentário com Scot McFadyen, chamado "Metal: A Headbanger's Journey" ("Metal: uma Viagem Headbanger").

O filme é resultado de cinco anos e meio de pesquisa sobre a cultura headbanger --termo que, literalmente, significa "batedor de cabeça", em alusão à expressão corporal dos fãs de heavy metal. O viés antropológico da produção aborda questões como a sexualidade, a violência e a religião.

A estréia deve acontecer nas próximas semanas nos Estados Unidos (Los Angeles, Houston e Salt Lake City). O DVD será lançado no fim de maio, informa a agência Reuters.

Dunn é o narrador e o personagem principal do documentário. Em entrevista recente, afirmou que o filme o obrigou "a ver o heavy metal de uma outra forma, diferente do que percebe um fã obsessivo do Slayer". Ele diz que esse gênero é mal compreendido pela cultura de massa. "O metal é uma catarse, uma forma emocional de música", disse o antropólogo.

A produção vai às origens do metal nos anos 70, com Black Sabbath, e joga luz sobre diversos subgêneros do estilo por meio de entrevistas com ídolos como Bruce Dickinson (Iron Maiden) Tom Araya (Slayer) e personalidades underground como Angela Gossow (Arch Enemy).

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre heavy metal
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página