Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/11/2000 - 05h07

São Paulo comercializa, Rio de Janeiro oferece arte pop

Publicidade

da Folha de S.Paulo

Tradicional reduto vanguardista, São Paulo inverte os sinais neste momento em que os conceitos de gravadora e Internet começam a se interpenetrar para variar sem participação ativa dos dinossauros da indústria.

A iniciativa paulista do Estilingue se divide em dois pesos, duas medidas: por um lado, o banco de dados de novos artistas que aí se está criando é valioso e preenche mais um dos inúmeros vácuos que as grandes gravadoras tinham a obrigação de não deixar existir. É iniciativa fundamental, já passava da hora.

No segundo prato da balança, estão as bandas paulistanas Raskafari e Mada Foca, as primeiras bandas bancadas pelo selo Estilingue. A aposta é, exclusivamente, no imediatamente vendável.

Pela amostra até agora oferecida, as duas bandas seguem a cartilha de clonar grupos de comunicação imediata como Raimundos, naquela fórmula rock + hormônios adolescentes + piadinhas.

Em pique outro, mas equivalente, a cantora pop-romântica-dançante Cidália Castro começa diluindo a obscura "Lábios de Mel" (79), do repertório de Tim Maia, com resultados ainda indefinidos.

Do outro lado da ponte aérea, a Net Records investe em novos nomes qualificados pela proposta de adicionar novos elementos ao puído tecido da MPB.

Primeiro, há o já conhecido Karnak, que ainda procura em "Estamos Adorando Tokio" equacionar as referências de pop nacional e world music. Nota curiosa fica por conta da regravação de "Nuvem Passageira", do brega-pop dos 70 Hermes Aquino.

Vulgue Tostoi se destaca dentro de um formato de rock'n'roll contaminado por interferências aprendidas na cultura eletrônica, obtendo efeitos como "vocodizar" e desconstruir "Vapor Barato" (71), do repertório clássico de Gal Costa, ou acelerar os beats da balada climática "Deleta".

A dupla paulista Autoload se destaca elaborando caldeira antropofágica de citação a Tom Zé e Belchior, crítica à axé music ("você pensa que sou menos brasileiro/ porque odeio ouvir axé o ano inteiro?") e fusão de dicções do rap e do drum'n'bass. O resultado é original, no mínimo.

A carioca Katia B, por sua vez, contribui com seu consistente álbum lançado no ano passado, de MPB de voz cândida e produção eletronizada, que contou com a presença do produtor iugoslavo-brasileiro Suba (1961-99). Katia faz show único hoje, às 20h, em São Paulo, no Sesc Vila Mariana.

Juntos, Katia, Vulgue e Autoload conformam contribuições efetivas e promissoras ao prosseguimento do pop brasileiro como algo além do mero mercado. Alô, gravadoras-dinossauros, tchau e boa-noite.
(PAS)
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página