Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/11/2009 - 11h30

Livro analisa a economia a partir da vida e obra de William Shakespeare

Publicidade

da Folha Online

Economia não é a primeira coisa que vem à cabeça quando se pensa em Shakespeare, mas um novo lançamento está mostrando que a vida e a obra do grande bardo podem servir de suporte para pensarmos sobre a economia e a origem do capitalismo.

Divulgação
Livro traça paralelo o nascimento do pensamento econômico e o bardo
Livro traça paralelo o nascimento do pensamento econômico e o bardo

"Shakespeare e a Economia" traz dois ensaios de abordagens distintas, porém que se complementam. O primeiro é um texto de 1931 de Henry W. Farlan que analisa os primórdios da economia como ciência a partir das peças do dramaturgo, abordando conceitos como os valores de troca. Revelando que mesmo que o dramaturgo não pensasse a economia como os pensadores modernos, muitos conceitos embrionários já estavam presentes em suas peças.

A obra entrelaça também o aspecto empresarial de Shakespeare com o ensaio do economista Gustavo Franco, que mostra que o dramaturgo não era apenas um bom artista, mas também um empresário de sucesso. Franco também aborda a economia do teatro, a linguagem, as companhias teatrais, sua organização e seus resultados financeiros, além de surpreender o leitor com cálculos que mostram como Shakespeare era dono de uma fortuna considerável.

Confira abaixo um trecho do início de "Shakespeare e a Economia"

*

1. O homem e sua obra

Sabe-se inacreditavelmente pouco sobre "Gulielmus, filius Johanes Shakspear" (William, filho de John Shakespeare), o cidadão batizado nesses termos em 26 de abril de 1564, nascido alguns dias antes, não se sabe bem quando, e morto em 1616, aos 52 anos, no dia 23 de abril, que se convencionou adotar também como a data de seu nascimento, possivelmente por coincidir com o dia de são Jorge, padroeiro da Inglaterra. Não há anotações, diários ou cartas, nada que ele tenha deixado e que pudesse trazer muita luz sobre sua vida e obra.

Exceto pelos relatos de terceiros, gente que o conheceu ou que guardou histórias sobre ele, reais ou fabricadas, assim alimentando uma espécie de narrativa mítica sobre o homem, existem apenas os registros legais, batismo, casamento, depoimentos em processos e o seu testamento, que, conforme Stanley Wells, um de seus principais biógrafos, "foi o mais e o menos pessoal dos documentos de Shakespeare a sobreviver". Era friamente pessoal na medida em que o testamento estabelecia complexos dispositivos sobre a divisão de seus bens, que, como veremos, não eram poucos. Ademais, foi escrito por um advogado como documento jurídico padrão, sem qualquer vestígio da pena de Shakespeare, qualquer menção a seus livros, manuscritos e obras publicadas ou por publicar. Era mais uma porta fechada para o gênio, e o pouco que mostrava sobre o homem e seus problemas no fi m da vida, como sugere Kathernie Duncan- Jones, em um ensaio biográfico recente, e um tanto mais polêmico, "inevitavelmente desapontará". O leitor e especialmente o investigador iniciante e ocasional, diante desta cidadela de mistério, podem facilmente se impressionar com os "maus versos" do epitáfio do poeta:

Amigo, em nome de Jesus amado,
Não cave o pó que está aqui guardado
Bendito quem estas pedras poupar,
Maldito quem meus ossos revirar*

Nada indica, todavia, que esta maldição "reputadamente brutal" seja de autoria do bardo; era comum nas lápides da região, mas permite a conjecturas, como a de que ele não queria que sua esposa fosse ali enterrada - este, mais um de incontáveis enigmas sobre o homem. O fato é que a maldição que enuncia, com o tempo, veio a assumir o formato singular de um desafio para os intérpretes do dramaturgo, os que remexem seus ossos, a julgar pela observação de Peter Brook: "Escreveram-se milhões e milhões de palavras sobre Shakespeare - a tal ponto que é quase impossível descobrir hoje um pensamento novo sob a pena de quem quer que seja." O mesmo vale para um comentário de T.S. Eliot: "O máximo que podemos esperar quanto a Shakespeare é estarmos errados dentro de uma nova abordagem."

Exceto, talvez, por um solitário manuscrito, um trecho de uma peça censurada, Sir Thomas More, da qual se acredita que Shakespeare tinha sido um dos autores,** tudo o que comprovadamente restou de seu próprio punho foram exatos seis exemplares de sua assinatura, cada qual numa grafia diferente e mais feia. Embora haja quem tome este pequeno detalhe muito a sério, a ponto de usá-lo como apoio a teorias mirabolantes sobre a autoria das peças, aquela era uma época - conforme adverte o linguista David Crystal, grande autoridade em assuntos shakespearianos - em que o conceito de "grafia correta" ainda não tinha se estabelecido como hoje o entendemos. A língua inglesa passava por um momento de descoberta, inovação e consolidação, como de resto todo o panorama da economia. Envolvia, ademais, a adoção das convenções da linguagem escrita; por ora, ainda o latim, "desde a década de 1540, tornara-se o veículo para todo comentário fluente e elegante, em qualquer campo de conhecimento, em Cambridge e Oxford".

Em 1605, na Biblioteca de Oxford, que não incluía peças de teatro, havia apenas 36 livros em inglês entre cerca de 6.000 volumes. O primeiro dicionário da língua inglesa foi publicado em 1604, mas talvez fosse só um primeiro esboço, pois contava apenas 2.521 verbetes. Shakespeare, em sua obra reconhecidamente abundante, ou mesmo superlativamente exuberante em vocabulário, teria usado algo em torno de 20 a 30 mil palavras diferentes e inventado cerca de 1.700. Outra estimativa, de "primeiro uso registrado" de palavras, eleva este número para 2.035. Por isso se diz que a genialidade de Shakespeare, entre tantas virtudes, tem a ver com as palavras, ou mesmo com a invenção do próprio idioma - uma de numerosas inovações revolucionárias da época, como o próprio teatro, e também, destacadamente, a economia de mercado. Com efeito, a língua ia amadurecer espetacularmente com Shakespeare e depois dele, em virtude do comércio, mas também e principalmente pelo teatro. Mas o fato é que um século e meio ainda se passaria antes da publicação, em 1755, do grande e paradigmático dicionário de Samuel Johnson, o grande homem de letras do século XVIII, e não por acidente também um dos mais importantes editores e intérpretes de Shakespeare.

Não é de se estranhar, portanto, que, na época em que Shakespeare viveu, em 342 aparições por escrito de seu nome em manuscritos da época, possam ser encontradas exatas 25 variantes diferentes de grafá-lo: Shackspeare, Shagspere, Shaxberd, Shekspere¸entre outras. Ele próprio assinou seu nome de diferentes maneiras nos seis exemplares que sobreviveram! O assunto merece gentilíssima sátira no fi lme Shakespeare apaixonado, cuja primeira aparição do herói em seu quarto, escrevendo, é descrita no roteiro consagrado de Marc Norman e Tom Stoppard da seguinte forma: A intervalos regulares, vemos pedaços de papel amassados sendo atirados contra a prateleira. O homem que os está atirando, Will Shakespeare, está curvado sobre a mesa, escrevendo concentrado com uma pena. Agora vemos o que ele está escrevendo: Will está praticando sua assinatura, repetidamente. Will Shagsbeard... W Shakspur... William Shasper... A cada tentativa insatisfatória, amassa o papel e joga fora.

O premiadíssimo filme possui inúmeros outros tons de sátira, a começar por oferecer uma conjectura, tão boa como tantas outras disponíveis, sobre como Shakespeare conseguiu o dinheiro (50 libras) para se tornar acionista da companhia de teatro Chamberlain's Men.* Inclui também uma levemente insolente subversão na cronologia das peças: o enredo de Norman e Stoppard tem lugar em 1593, em torno da composição de Romeu e Julieta, que, na verdade, teria sido encenada pela primeira vez não antes de 1595, e de Noite de reis, supostamente escrita a seguir, mas que na verdade é datada entre 1600 e 1602, havendo cerca de uma dúzia de peças entre uma e outra. Isso para não falar no fato de a rainha jamais ter pisado no Curtain, no Rose ou em qualquer teatro; e de o papel ser mercadoria tão cara naqueles dias, e parcela tão importante dos custos de um autor, que, como observa uma autoridade, Andrew Gurr, "o escritor em Shakespeare apaixonado que tão livremente destrói as folhas onde luta para escrever Ethel, a filha do pirata não era um elisabetano".

*

"Shakespeare e a Economia"
Autores: Gustavo H.B. Franco e Henry W. Farnam
Editora: Jorge Zahar Editor
Quanto: R$ 36,00
Onde comprar: 0800-140090 ou na Livraria da Folha

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página