Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/11/2006 - 09h49

"Surto" de peças e filme celebram Nelson Rodrigues

Publicidade

VALMIR SANTOS
da Folha de S.Paulo

"Sempre, sempre, sempre teve esses surtos na vida ou depois da morte do velho", diz Nelson Rodrigues Filho, 61. E "surto", vindo do caçula, soa bastante rodriguiano para falar dos projetos que pipocam às vésperas dos 26 anos de morte de Nelson Rodrigues (1912-80), no próximo 21 de dezembro.

Nelsinho conversou por telefone com a Folha minutos antes de sair de casa na noite de terça-feira, no Rio, para assistir à estréia de "A Mentira" em Laranjeiras. Estava acompanhado de sua mãe, Elza, 88.

Aquele romance, escrito em 1953, publicado durante 18 semanas no "Flan" --suplemento dominical do jornal "A Última Hora"-- e recuperado somente em 1996, ganha sua primeira adaptação para o teatro, pelo pesquisador de sua obra e encenador Caco Coelho, em pleno salão nobre do Fluminense, fazendo jus ao tricolor fanático.

Na história, Lúcia, 14, descobre que está grávida. Sua mãe, dona Ana, revela que seu marido, dr. Maciel, na verdade não é o pai da moça. Com medo do escândalo, ele tenta escondê-la numa fazenda, mas a mãe discorda. Instaura-se o impasse. A Cia. Circo de Estudos Dramáticos, dirigida por Coelho, leva 13 atores à cena, entre eles os convidados Nuno Leal Maia, Denise Del Vecchio, Monique Alfradique e Edi Botelho.

"Aqui, ele já assinava Nelson Rodrigues, não usava o pseudônimo Suzana Flag e deflagrava a fase das tragédias cariocas, que iniciaria com "A Falecida", também de 1953", diz Coelho.

Homenagem

Em Recife, o Festival de Teatro Nacional homenageia o dramaturgo, que deixou a cidade aos quatro anos, quando a família se mudou para o Rio. Dentro do festival, o seminário "Nelson Rodrigues e a Cultura Brasileira" começou ontem e segue até domingo com personalidades convidadas a refletir sobre as peças do autor.

"A obra dele tem um paradoxo: Nelson é o pai do teatro moderno brasileiro e trabalha com elementos arcaizantes como poucos no mundo. Há uma tensão entre o homem de teatro [da palavra] e a potência plástica e formal enorme, ao mesmo tempo tão grudada ao arcaico", diz o artista plástico Nuno Ramos, 46, que falou ontem sobre "Vestido de Noiva" (1943).

Também foram escalados para o seminário --com curadoria do dramaturgo Aimar Labaki e do diretor Antonio Cadengue-- o psicanalista Mauro Meiches, o jornalista Eugênio Bucci, o colunista da Folha Marcelo Coelho e os diretores Eduardo Tolentino de Araújo e Luiz Arthur Nunes.

Na programação, consta a montagem carioca de "Toda Nudez Será Castigada" (2005), por Paulo de Moraes, da Armazém Cia. de Teatro, e um ciclo com filmes adaptados de peças de Nelson, inclusive o longa que entra em circuito nacional amanhã, "Vestido de Noiva", na versão do primogênito Joffre Rodrigues.

Fusão de obras

Em São Paulo, o diretor Frank Castorf, do teatro Volksbühne, na Alemanha, ensaia com atores brasileiros uma fusão de "Anjo Negro" (1946), uma das peças míticas de Nelson, com "A Missão, Lembrança de uma Revolução", do alemão Heiner Müller (1929-95).

No elenco, Denise Assunção, Roberto Audio, Georgette Fadel e um coro de atores negros. A estréia está prevista para o dia 30/11, no Sesc Vila Mariana. Antes, no dia 22/11, a Cia. A4, de Salvador, estréia curta temporada de "InSônia" no Sesc Avenida Paulista, adaptação e direção de Hebe Alves para o monólogo "Valsa nº 6" (1951).

Sônia, uma garota de 15 anos, surge em seus últimos instantes de consciência, transitando os planos da alucinação, memória e realidade. A personagem ganha quatro faces distintas na montagem baiana.

9º Festival Recife de Teatro Nacional
Quando: até 20/11; programação e endereços no www.recife.pe.gov.br/pr/seccultura/festivalteatro
Quanto: de R$ 1 a R$ 5

A Mentira
Quando: ter. a qui., às 21h30. Até 20/12
Onde: Fluminense Futebol Clube (r. Álvaro Chaves, 41, Laranjeiras, Rio, tel. 0/xx/21/ 2553-7240, r. 251)
Quanto: R$ 20

Especial
  • Leia tudo o que já foi publicado sobre Nelson Rodrigues
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página