Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/10/2004 - 10h48

Celulares aumentam risco de tumor, diz estudo

Publicidade

da Folha Online

Usar um telefone móvel por dez anos ou mais aumenta o risco de desenvolver um neuroma acústico --um tumor benigno no nervo da audição--, afirma um estudo divulgado na quarta-feira pelo Instituto Karolinska.

O risco, segundo os pesquisadores, é maior de acordo com o lado que o telefone geralmente é usado e não há sinais de que aqueles que usam celulares por menos de dez anos tenham chances de desenvolver o tumor, afirmou o instituto.

O instituto é responsável por uma das maiores universidades médicas da Europa e um centro de pesquisa clínica e outro de pesquisa biomédica. Além disso, é o Instituto Karolinska quem concede o prêmio Nobel de medicina.

"No período em que o estudo foi realizado, apenas celulares analógicos foram usados por mais de dez anos. Por isso, não conseguimos determinar se os resultados se limitam ao uso de celulares analógicos ou se afeta também os donos de telefones digitais", disse o instituto.

Os celulares digitais --com tecnologia GSM ou CDMA-- substituíram os modelos analógicos em meados ou no fim da década passada em muitos países. Os fabricantes de celulares afirmam sempre que não há provas científicas de que usar os telefones pode causar problemas à saúde.

De acordo com o estudo, 150 pessoas com neuroma acústico e outras 600 saudáveis participaram do estudo. "O risco de neuroma acústico praticamente dobrou entre as pessoas que começaram a usar os celulares pelo menos 10 anos antes do diagnóstico", afirmou o Karolinska.

"Quando examinamos o lado da cabeça no qual o telefone é normalmente usado, descobrimos que o risco de neuroma acústico nessa região é quase quatro vezes maior."

Com Reuters

Leia mais
  • Erramos: Celulares aumentam risco de tumor, diz estudo

    Especial
  • Arquivo: leia mais notícias sobre telefones celulares
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página