Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/12/2006 - 12h07

Confrontos entre Hamas e Fatah ferem ao menos 30 em Gaza

Publicidade

da Folha Online

Membros dos partidos e grupos armados palestinos Fatah e Hamas trocaram tiros nas ruas da Cidade de Gaza e de Ramallah, na Cisjordânia, nesta sexta-feira, um dia depois que homens armados atacaram o comboio do premiê palestino, Ismail Haniyeh (Hamas), matando um segurança.

Segundo o jornal israelense "Haaretz", ao menos 30 pessoas ficaram feridas na troca de tiros, algumas deles com gravidade.

A onda de violência ocorre pouco antes da celebração do 19º aniversário do Hamas, em Gaza.

Ammar Awad/Reuters
Partidário do Fatah se confronta com seguidor do Hamas em Gaza
Partidário do Fatah se confronta com seguidor do Hamas em Gaza
Os confrontos em Ramallah tiveram início quando membros do Fatah e do Hamas trocaram tiros nas ruas. Forças de segurança ligadas a Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), usaram cassetetes contra seguidores do Hamas antes da troca de tiros,

Em uma demonstração de força, o Hamas havia destacado seguidores armados com rifles automáticos e granadas em pontos estratégicos da faixa de Gaza na manhã de hoje.

Os confrontos ocorreram a um quarteirão de distância do escritório de Mohammed Dahlan, um dos líderes do Fatah, acusado pelo Hamas de ter orquestrado o ataque de ontem contra Haniyeh, quando o premiê voltava de uma viagem pelo Oriente Médio que visava arrecadar verbas para a ANP, imersa em grave crise financeira após o boicote econômico imposto pelos EUA, Israel, União Européia e outros países ocidentais.

Um dos seguranças de Haniyeh morreu no ataque a tiros e cerca de 15 pessoas --entre elas, o filho de Haniyeh, Abdel Salam, 26, e seu assessor político, Ahmed Yousef-- ficaram feridos.

O atentado agravou a crise entre os rivais Hamas e Fatah, aumentando o risco de conflito civil.

Dinheiro

O ataque a tiros contra o comboio de Haniyeh ocorreu no momento em que o premiê palestino ficou detido na passagem de Rafah, entre Egito e Gaza, por mais de sete horas.

Israel fechou a passagem para impedir que ele retornasse a Gaza com US$ 35 milhões em malas, originários de doações do Irã e de outros países muçulmanos. Após horas de espera, Haniyeh pôde entrar em Gaza na noite de ontem, mas teve de deixar o dinheiro no Egito.

Em seguida, centenas de seguidores do Hamas invadiram o terminal. Começou então um intenso tiroteio com membros da Guarda Presidencial, leal a Abbas --do Fatah.

A imprensa israelenses disse que Haniyeh e o Hamas destinariam o dinheiro a suas forças militares, como forma de consolidar o atual governo. Segundo fontes palestinas, Abbas pode anunciar neste sábado uma consulta popular para antecipar as eleições em Gaza e na Cisjordânia.

O porta-voz do Hamas, Fawzi Barhoum, afirmou que o ataque foi uma tentativa de assassinato contra Haniyeh e apontou as forças de segurança ligadas ao Fatah como responsáveis.

"A Guarda Presidencial controla o lado palestino [da fronteira]. Não há grupos armados na região. Ela é a responsável pela segurança na fronteira", afirmou Barhoum. "Foi uma clara tentativa de assassinato".

Segundo Wael Dahab, porta-voz da Guarda Presidencial, havia muitos homens armados na área no momento do ataque e era "difícil controlar a situação". "Nossos homens não deram início aos tiros, não dispararam, mas havia muitas pessoas carregando armas", afirmou.

O presidente da ANP lamentou o incidente.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Mahmoud Abbas
  • Leia o que já foi publicado sobre Ismail Haniyeh
  • Leia o que já foi publicado sobre o Hamas
  • Leia o que já foi publicado sobre o Fatah
  • Leia a cobertura completa sobre o Oriente Médio
  • Veja galeria de fotos dos confrontos entre Hamas e Fatah
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página