Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/04/2007 - 11h03

Morre aos 76 anos o presidente russo Boris Ieltsin

Publicidade

da Folha Online

O primeiro presidente russo do período pós-comunismo, Boris Ieltsin, que governou entre 1991 e 1999, morreu nesta segunda-feira aos 76 anos em Moscou, informou o Kremlin.

Sua ascensão ao poder marcou o fim da ex-União Soviética (URSS). O porta-voz do Kremlin, Alexander Smirnov, confirmou a morte, mas não forneceu detalhes sobre as causas.

A agência russa de notícias Interfax, que cita fontes médicas, informa que ele morreu em decorrência de uma doença cardíaca.

Alexander Zemlianichenko/AP
Boris Ieltsin, primeiro presidente russo da era pós-comunismo
Boris Ieltsin, primeiro presidente russo da era pós-comunismo
Ieltsin sempre foi uma figura política polêmica. Em sua biografia, lançada em 2000, reconheceu que em alguns momentos de seu mandato agiu sob a influência do álcool e recordou uma situação constrangedora em Berlim, em 1994. No livro, ele conta que durante uma cerimônia com o então chanceler (premiê) alemão, Helmut Kohl, diz que "baixou a guarda e, depois de vários copos, sentiu que poderia fazer qualquer coisa, como reger a banda de música. À época, a cena transmitida por TV provocou risos no mundo inteiro.

Após deixar o governo [Ieltsin renunciou à Presidência em 31 de dezembro de 1999, seis meses antes de encerrar seu mandato], disse que preferia ficar vendo shows de Celine Dion e George Michael em DVD a voltar a trabalhar como político.

"Quem se aposenta tem de fazer sua escolha: se manter na vida pública, viajar, dar palestras, continuar a trabalhar ou devotar seu tempo a quem gosta", afirmou em 2000 ao jornal russo "Komsomolskaya Pravda". "Eu escolhi a segunda opção, mais coerente com meu momento."

Antecessor do atual presidente russo, Vladimir Putin, a quem ele havia designado como herdeiro político, Ieltsin ganhou popularidade durante seus oito anos de governo devido às suas promessas de combate à corrupção, sem conseguir, no entanto, manter o controle de grande parte de empresas estatais que foram progressivamente privatizadas.

Primeiro líder russo eleito democraticamente, durante seu mandato, a Rússia sofreu com problemas como o desemprego e a inflação. Ieltsin também levou o país a um conflito contra rebeldes separatistas na Tchetchênia, que culminou a expulsão dos russos.

Ele sofria de problemas cardíacos e renunciou à Presidência em 1999, vários meses antes do fim oficial de seu mandato. Putin, que era seu primeiro-ministro, tornou-se presidente em exercício e foi eleito democraticamente para o cargo em 2000.

Crise

A morte de Ieltsin ocorre em um momento em que a Rússia passa por um período de crise.

Na semana passada, centenas de manifestantes foram detidos em vários protestos em Moscou e São Petersburgo contra Putin, a quem a oposição acusa de "sufocar a democracia".

Os confrontos nas duas principais cidades russas podem ser o prenúncio de um longo período de tensão entre autoridades russas e a oposição, com a proximidade de eleições parlamentares e presidenciais.

Em um dos protestos, a polícia deteve o ex-campeão de xadrez Garry Kasparov, 44, que hoje é um dos líderes da coalizão Outra Rússia, uma das organizadoras dos protestos.

Sobre a ação violenta da polícia, que chocou os manifestantes, ele afirmou que o governo "mostrou que já não respeita a imprensa mundial, a opinião pública ou mesmo as leis russas".

"Agora [a Rússia] é um país em algum lugar entre Belarus e o Zimbábue, duas ditaduras que acabaram com os movimentos de oposição", disse ele.

Com Efe, France Presse e Associated Press

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Kremlin
  • Leia o que já foi publicado sobre Boris Ieltsin
  • Leia o que já foi publicado sobre a ex-URSS
  • Leia cobertura sobre a morte de Boris Ieltsin
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página