Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
09/10/2001 - 20h49

Confira a repercussão pelo mundo dos ataques ao Afeganistão

Publicidade

da Folha Online

O ataque liderado pelos Estados Unidos contra o Afeganistão tem obtido apoio da maioria dos países do mundo. Em seu discurso, Bush disse que vários países estão ajudando, com forças militares ou serviços de inteligência, e outros podem ser convocados a ajudar. "Somos apoiados por uma vontade coletiva do mundo", afirmou o presidente norte-americano.

O Reino Unido é um dos principais aliados dos EUA, participando dos ataques com armamentos e pessoal. "Nós demos a escolha entre a justiça e o terror. Eles preferiram ficar ao lado do terror. Agora, para salvar a paz, nós temos de lutar", afirmou o premiê britânico, Tony Blair. Ele é o principal articulista na Europa a favor da luta contra o governo Taleban afegão.

A União Européia (UE) manifestou "total solidariedade" ao ato, afirmou o primeiro-ministro belga Guy Verhofstadt, cujo país assume a presidência rotativa da UE.

O chanceler alemão, Gerhard Schröder, disse em uma nota oficial que o governo alemão deu "apoio ilimitado" para os atos norte-americanos contra o que ele chamou de "alvos terroristas", mas ainda não especificou como a Alemanha vai ajudar.

A Rússia apoiou totalmente a ofensiva contra o território afegão e disse que os bombardeios foram feitos conforme a Carta das Nações Unidas, disse o presidente russo, Vladimir Putin. A Polônia é "totalmente solidária" aos Estados Unidos, de acordo com o presidente Aleksander Kwasniewski.

O presidente francês, Jacques Chirac, que em pronunciamento afirmou que "a democracia mundial foi atacada no dia 11 de setembro", e disse que tropas francesas vão participar do conflito. Forças canadenses também serão utilizadas, conforme o primeiro-ministro do Canadá, Jean Chretien, confirmou hoje.

As forças italianas também estão em estado de alerta. O primeiro-ministro, Silvio Berlusconi, anunciou a criação uma unidade de crise, após afirmar que "a Itália está ao lado dos EUA e de todos que lutam contra o terrorismo".

O primeiro-ministro espanhol, José María Aznar, disse que apóia os Estados Unidos e ofereceu total apoio à ação militar, incluindo o uso de bases e pessoal espanhol. Segundo Aznar, os ataques são justificáveis em função da auto-defesa.

O Paquistão lamentou pelos esforços diplomáticos não terem convencido os dirigentes do Taleban a "responder aos pedidos internacionais" e cedeu o espaço aéreo para os aviões dos aliados. O presidente Pervez Musharraf anunciou que acredita que o ataque será breve e com alvos específicos e que depois haverá ajuda na reabilitação do Afeganistão.

Em compensação, os paquistaneses pró-Taleban fizeram uma série de protestos no país contrários à ofensivas norte-americanas.

Paquistão, Arábia Saudita, Uzbequistão, Omã e outras nações muçulmanas pediram secretamente que a campanha contra o terrorismo liderada pelos Estados Unidos não seja abandonada enquanto Osama bin Laden não estiver morto e sua rede - Al Qaeda - destruída.

O Tadjiquistão também decidiu abrir seu espaço aéreo para que os aviões dos EUA ataquem alvos no Afeganistão.

O Egito quebrou o silêncio oficial e anunciou seu apoio aos ataques feitos pelos Estados Unidos ao Afeganistão. "Apoiamos todas as medidas tomadas pelos EUA para resistir ao terrorismo", afirmou o presidente Hosni Mubarak.

O chanceler da Arábia Saudita, príncipe Saud al Faisal, disse que "há uma clara evidência de que ele [Osama bin Laden] está ligado a isso [aos atentatos do dia 11 de setembro]". Segundo ele, "é necessário perseguir com vigor e tenacidade os criminosos que criaram essa tragédia. Nesse sentido, os EUA têm o apoio da comunidade internacional. Sem dúvida, a intenção do terrorismo é provocar retaliações descomedidas que levem os outros à ação e provoquem danos colaterais que aumentem a sensação de injustiça".

O primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi, disse que concede "total apoio à ação", depois de receber evidências de Washington que mostram Osama Bin Laden como responsável pelos atentados do dia 11 de setembro. Koizumi foi à China tentar convencer o país a apoiar os EUA.

A China concordou com o ataque e disse que se opõe ao terrorismo em qualquer de suas formas, mas fez uma apelo aos Estados Unidos para não causarem danos a civis na guerra contra o terrorismo.

A Coréia do Sul também declarou apoio aos ataques norte-americanos e ordenou segurança reforçada em pontos estratégicos do país.

O Irã condenou energicamente os ataques dos EUA contra o Afeganistão. "Ataques em grande escala são inaceitáveis", afirmou o ministro iraniano de Relações Exteriores.

O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, renovou o compromisso de que o país irá ajudar os Estados Unidos em tudo "o que for possível". Ele tomou todas as medidas necessárias para garantir a segurança da população.

A Síria se opôs aos ataques e afirmou que a luta contra o terrorismo "deve se realizar somente sob as normas da ONU".

O primeiro-ministro marroquino, Abderrahman Yusufi, disse nesta segunda-feira que espera que a resposta dos EUA aos ataques terroristas ocorridos no dia 11 de setembro não se estendam a outras regiões, como anunciou o secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld, e o presidente George W. Bush.

No Brasil, o Itamaraty confirmou sua posição anterior, concedendo apoio aos Estados Unidos. O presidente Fernando Henrique Cardoso manifestou que apóia os ataques e disse que essa luta "não comporta hesitações nem transigência".

  • Com agências internacionais

    Leia mais no especial sobre os ataques ao Afeganistão
    Leia mais no especial sobre Taleban
    Leia mais no especial sobre Paquistão
    Leia mais sobre os reflexos do terrorismo na economia
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página