Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/09/2007 - 16h36

Novo atentado na Argélia deixa 30 mortos e 47 feridos

Publicidade

da Efe, em Argel

Um atentado terrorista perpetrado neste sábado na cidade de Dellys, no litoral da Argélia, deixou 30 mortos e 47 feridos, segundo uma apuração oficial divulgada pelo governo local.

O Ministério do Interior assinala que três das vítimas são civis, e as demais são oficiais que estavam postados no quartel atacado --atingido por um carro-bomba dirigido por dois terroristas suicidas. Ambos morreram no ato.

Dellys, pequena cidade portuária na província argelina de Kabilia (leste), e Batna (sul), foram os dois últimos alvos da organização.

Em Batna, o atentado ocorreu na última quinta-feira, justamente durante a visita oficial do presidente do país, Abdelaziz Bouteflika, à cidade.

O terrorista suicida de Batna detonou os explosivos pouco antes da chegada do chefe do Estado, causando a morte de 22 pessoas e ferindo outras 150. Todas elas esperavam a chegada de Bouteflika.

Nos dois casos, o "modus operandi" foi o mesmo, salvo que em um as vítimas eram civis, e no outro, militares.

Para muitos especialistas e analistas políticos, isso prova que o chefe da AIMI (Al Qaeda no Magreb Islâmico), Abdelhak Drukel --cujo nome de guerra é Abu Mussab--, optou pelos atentados suicidas como arma predileta.

Estes dois últimos ataques foram os mais espetaculares realizados pelo grupo, pelo fato de o primeiro ter sido contra o presidente do país e o segundo contra as Forças Armadas.

O governo da Argélia acusa a AQMI de impedir o processo de reconciliação nacional iniciado pelo presidente Bouteflika.

Em uma reação ao atentado deste sábado, o primeiro-ministro da Argélia, Abdelaziz Belkhadem, disse que a política de reconciliação é uma "pedra no caminho" daqueles que se opõem a ela e ressaltou que o governo argelino não cederá à chantagem e continuará com seus esforços de paz.

"Quem comete este tipo de atentados nunca triunfará em sua luta desesperada para acabar com a estabilidade do país", afirmou Belkhadem.

Paralelamente, a central sindical UGTA, que conta com quatro milhões de filiados, convocou hoje a população argelina para protestar contra os atos violentos e em favor "dos valores republicanos" e da "reconciliação nacional".

Acompanhe as notícias em seu celular: digite o endereço wap.folha.com.br

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página