Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/01/2003 - 12h02

Refrigerante "engajado" Meca-Cola conquista Oriente Médio

da France Presse, em Dubai

A versão "islâmica" da Coca-Cola, a Meca-Cola, está conquistando o Oriente Médio. Produzida pela Meca-Cola Beverage Company, já vendeu mais de 2,2 milhões de garrafas em menos de dois meses.

"A Arábia Saudita já fez um pedido de 5 milhões de garrafas de 1,5 litros", afirmou o inventor da bebida, Tawfik Mathluthi, um franco-tunesiano que fundou, em 1987, a Rádio do Mundo Árabe.

"Vários países do Oriente Médio, entre eles Síria, Líbano, Sudão, Irã, Iraque, Iêmen, Jordânia e Líbia, já concordaram em distribuir o produto", disse Mathluthi.

O nome Meca-Cola se inspira em Meca, o principal lugar santo do Islã, situado na Arábia Saudita, e pretende ser "uma fundação e um meio de combater a hegemonia norte-americana", disse Mathluthi, que se considera, no entanto, um "admirador" dos Estados Unidos.

Segundo o inventor, a Meca-Cola é um produto com consciência social, pois cede 20% de seus lucros líquidos para obras de caridade, sendo que 10% são destinados a obras palestinas estritamente humanitárias para a infância, a educação e a conservação do patrimônio.

"Os outros 10% são dados a associações na Europa que trabalham pela paz no mundo e apóiam o povo palestino em sua legítima luta por sua independência."

A garrafa menciona em seu rótulo o compromisso de destinar essas percentagens e, ironizando a Coca-Cola, incentiva os consumidores a "não beber mais de maneira idiota". "Beba com compromisso" e "Beba para defender nossa dignidade", dizem as os slogans sobre um fundo vermelho.

A imagem da mesquita de Al-Qods (Jerusalém), que aparece no fundo do rótulo, mostra com clareza o "compromisso" do produto.

O inventor disse que se inspirou na Zamzam-Cola, a versão iraniana da Coca-Cola, que também tem um grande êxito em vários países árabes, onde a população cada vez mais boicota os produtos norte-americanos.

"Nesses tempos particulares de 'islamofobia', nos parece importante ter um signo unificador", declarou.

Animado com o sucesso da bebida, Mathluthi sonha com um produção de 200 milhões de garrafas até o final do ano e pretende lançar no mercado o Halal Fried Chicken, uma versão islâmica da rede de fast-food Kentucky Fried Chicken, e a nova bebida Mecca-Cola-Café, com sabor café.

Leia mais no especial Oriente Médio
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página