Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/02/2005 - 20h39

Relatório diz que ex-diretor de Petróleo por Comida prejudicou ONU

Publicidade

da France Presse, em Nova York

A comissão que investiga supostas irregularidades no programa Petróleo por Comida divulgou um relatório nesta quinta-feira em que afirma que o ex-diretor Benon Sevan solicitou várias vezes cupons de compra do petróleo iraquiano, prejudicando seriamente a imagem de integridade da ONU (Organização das Nações Unidas).

"Ao fazer tais solicitações, Sevan criou uma situação de grave conflito de interesses, durante um longo período. Sua conduta foi inapropriada de um ponto de vista ético e prejudicou seriamente a integridade da ONU", afirma a comissão, dirigida por Paul Volcker.

O relatório não afirma que Sevan foi subornado, no entanto, o texto ressalta que Sevan não forneceu explicações convincentes sobre pagamentos em dinheiro por um total de US$ 16 mil entre 1999 e 2003.

O texto diz que existem elementos segundo os quais o processo de seleção das empresas encarregadas de supervisionar as transações de petróleo e de gerenciar os fundos atribuídos ao programa "não foi coerente com os regulamentos financeiros usuais".

O programa Petróleo por Comida, que esteve em vigor entre 1996 e 2003, tinha como objetivo aliviar o impacto das sanções impostas ao regime de Saddam Hussein sobre os iraquianos e permitia a Bagdá vender petróleo e adquirir em troca bens de consumo.

De um total de US$ 64 milhões, o programa foi manipulado pelo governo iraquiano e vários bilhões de dólares foram desviados.

A Comissão Volcker havia sido encarregada no ano passado pelo secretário-geral da ONU, Kofi Annan, de lançar uma investigação sobre o programa.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Petróleo por Comida
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página