Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
31/05/2005 - 17h37

Ex-funcionário do FBI afirma ter sido informante do caso Watergate

Publicidade

da Folha Online

O ex-alto funcionário do FBI [polícia federal dos EUA], W. Mark Felt, 91, afirmou, em entrevista publicada na edição de julho da revista americana "Vanity Fair", que é o "Garganta Profunda".

O nome foi dado à fonte secreta que passou as informações para os repórteres Bob Woodward e Carl Bernstein, do jornal americano "The Washington Post", na cobertura jornalística do caso Watergate.

Watergate é um complexo imobiliário em Washington, onde em 1972 o Partido Democrata, que fazia oposição ao então presidente americano Richard Nixon, mantinha seu comitê de campanha presidencial.

Neste local, foi encontrado um sistema de escuta supostamente encomendado pela Casa Branca para espionar os adversários. O "Washington Post" investigou o caso até o fim.

Woodward e Bernstein receberam informações de uma fonte conhecida até hoje apenas pelo pseudônimo de "Garganta Profunda" --nome inspirado em um famoso filme pornográfico da época. As denúncias da dupla levaram à renúncia de Nixon, em 1974.

"Eu sou o cara que costumavam chamar de "Garganta Profunda", afirmou Felt à John D. O'Connor, advogado e autor do artigo da "Vanity Fair".



Felt, que vive em Santa Rosa, na Califórnia, era o número 2 do FBI no início da década de 70, durante a administração de Nixon. Segundo a revista, até 2002, Felt manteve o segredo até mesmo de sua família.

Agora, segundo a "Vanity Fair", ele deu permissão para que sua identidade fosse revelada. Segundo a revista, a família de Felt colaborou, fornecendo fotografias antigas e posando para fotos.

Segredo

O "Washington Post", onde Woodward ainda trabalha, não quis comentar o caso. Bernstein, que deixou o jornal há alguns anos, divulgou um comunicado no qual se recusou a confirmar a afirmação de Felt.

"Nós sempre dissemos que, quando a fonte conhecida como "Garganta Profunda" morrer, nós revelaremos sua identidade e explicaremos em detalhes toda a nossa relação e o contexto daquele relacionamento", disse o repórter, por meio do comunicado.

"Além disso, quando houver artigos, livros, especulações, nós sempre diremos a mesma coisa. Nós não diremos nada porque temos uma obrigação com todas as fontes, a quem demos nossa palavra de que seriam confidenciais até que morressem".

Livro

O "Garganta Profunda" ficou popular depois do livro "Todos os Homens do Presidente", publicado por Woodward e Bernstein em 1974, que foi transformado em filme em 1976.

O nome de Felt esteve freqüentemente na curta lista de suspeitos, mas ele negou ser o "Garganta Profunda" no passado.

Além da própria fonte, apenas outras três pessoas supostamente sabem sua identidade -- Bernstein, Woodward e Ben Bradlee, que era editor-executivo do "Post" na época. Os três mantêm o discurso de que preservarão a identidade da fonte até sua morte.

Com "The New York Times"

Especial
  • Leia o texto em inglês da "Vanity Fair" que revela a identidade do Garganta Profunda
  • Leia o que já foi publicado sobre o caso Watergate
  • Leia a reportagem em inglês publicada pela "Vanity Fair"
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página