Ricardo Lessa assume Roda Viva para ampliar pluralidade

'Foi essa a encomenda, e nada mais é do que aquilo que eu quero fazer'

O jornalista Ricardo Lessa
O jornalista Ricardo Lessa - Reprodução/Globo
Nelson de Sá
São Paulo

Escolhido pela TV Cultura como novo apresentador do Roda Viva, o jornalista Ricardo Lessa afirma que o programa começa no próximo dia 9 uma "outra fase".

Em reunião na última segunda (19) com o conselho da Fundação Padre Anchieta, mantenedora do canal do governo paulista, ele foi instruído a buscar "pluralidade".

"Foi essa a encomenda, e nada mais é do que aquilo que eu quero fazer", afirma ele. "Acho que a lição número um do jornalismo é ouvir o outro lado."

Questionado sobre Augusto Nunes, que deixa o programa, diz que "ele tem as posições lá dele, mas, enfim, parece que ele encerrou uma fase aqui da Cultura".

"Agora vamos nos preocupar com a nossa", diz. "Também tenho minhas posições, mas acho que não é o caso. Vou ser um mediador aqui, vou procurar levantar ideias, colocar o máximo de diversidade que conseguir."

Entre outros veículos, Lessa, 62, trabalhou na GloboNews, onde ajudou a formatar e apresentou o programa de entrevistas Entre Aspas.

ESCOLA GLOBO

A principal referência profissional que ele carrega para a TV Cultura é Alice-Maria, executiva da Globo por mais de cinco décadas e responsável pela implantação da GloboNews.

“Eu aprendi televisão com a escola da Globo, a escola da Alice-Maria, uma grande mestre”, afirma. Lembra que, curiosamente, começou seu aprendizado quando ambos conviveram, mais intensamente, na criação da hoje extinta TV Manchete.

Lessa sublinha a diversidade de sua própria trajetória, ao falar do que pretende priorizar no Roda Viva.

“Passei por tudo quanto é mídia, desde impresso diário e semanal, rádio na Voz da América, nos Estados Unidos”, recorda, mencionando a estatal americana.

Antes, foi da equipe que criou o jornal Hora do Povo, então ligado ao grupo guerrilheiro MR-8, época em que se engajou mais em política.

“Foi 1980, 1981, ainda ditadura”, diz. “O HP ganhou duas bombas pela frente e ninguém apurou. Toda a imprensa alternativa sofreu na época, que culminou com o [ataque ao] Riocentro.”

MUDANÇAS

O jornalista foi surpreendido pelo convite, a semanas da estreia, e corre para se integrar à produção.

Nesta última semana, gravou dois pilotos, um deles técnico, para se ambientar. Também realizou as primeiras reuniões, por exemplo, com a área digital.

Ele adianta que, gradualmente, serão introduzidas diversas mudanças no programa. Uma das primeiras será buscar maior dinamismo em plataformas sociais.

O próprio formato do programa deve passar por alterações, inclusive de cenário. “Não é nem questão minha, é da direção. Eles já estavam atentos ao formato.”

Lessa reforça que o Roda Viva é “um espaço histórico na televisão brasileira, que atravessou diversos governos, períodos mais conturbados”. Em todos, “sempre foi esse lugar de respirar, de liberdade, de pluralidade”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.