Terry Hands, diretor de musicais como 'Carrie', morre aos 79 anos

Britânico liderou a Royal Shakespeare Company na Inglaterra e nos anos 1980 levou várias produções para a Broadway

Neil Genzlinger
The New York Times

Terry Hands, um diretor britânico que liderou a Royal Shakespeare Company na Inglaterra e nos anos 1980 levou várias produções para a Broadway, incluindo "Much Ado About Nothing" e o notório fracasso musical "Carrie", morreu na terça-feira (4). Ele tinha 79 anos.

O Theatr Clwyd, no País de Gales, onde foi diretor artístico por 18 anos, se aposentou após dirigir um último “Hamlet” em 2015, publicou notícias de sua morte. O local e a causa não foram informados.

Hands esteve na Royal Shakespeare Company por quase um quarto de século, juntando-se a ela em 1966 para administrar o Theatregoround, um programa de divulgação. Em 1978, tornou-se diretor artístico conjunto com Trevor Nunn e, de 1986 até sua partida em 1990, foi o principal executivo da empresa.

Um destaque de seu mandato foi o trabalho com o ator Alan Howard, a quem ele dirigiu em uma ambiciosa encenação de “Henry 4º, Parte 1”, de Shakespeare, “Henry 4º, Parte 2” e “Henry 5º” em Stratford-upon-Avon, na Inglaterra, em 1975, com Howard começando como o príncipe Hal na primeira peça do ciclo e se tornando o personagem-título em "Henry 5º."

O diretor inglês Terry Hands - Divulgação

Outro par digno de nota ocorreu nos anos 1980, quando Hands dirigiu "Cyrano de Bergerac", de Edmond Rostand, e "Muita Barulho por Nada", de Shakespeare. Derek Jacobi e Sinead Cusack estrelaram os dois, como Cyrano e Roxane no primeiro e Benedick e Beatrice no segundo. Hands transferiu ambas as produções para a Broadway em 1984, apresentando-as em repertório.

"Algumas notas erradas e 'Cyrano de Bergerac' podem se tornar a paródia de Mel Brooks deste ano", escreveu Frank Rich em sua crítica no The New York Times. “Mas o Sr. Hands tem o tom perfeito. O virtuosismo deste diretor é tão impressionante quanto o de sua estrela. "

Quanto a "Muito Barulho", Rich chamou de "um devaneio iridescente, tão delicado quanto os sinos de vento que brilham na nota excepcionalmente bela de Nigel Hess".

"Cyrano" ganhou três indicações ao prêmio Tony e "Much Ado" sete, com Benedick, de Jacobi, ganhando o prêmio de melhor ator. Hands foi indicado para melhor diretor dessa produção, e seu design de iluminação para cada produção —ele costumava fazer o seu próprio - também foi indicado.

"Fazer isso nos Estados Unidos é obviamente uma aposta", disse ele ao Times em 1984, quando as duas peças estavam prestes a começar. "Agradar pessoas em Nova York não é fácil, e a Broadway é uma rua de morte súbita."

Ele recebeu a confirmação disso da maneira mais brutal em 1988, quando sua produção de "Carrie", um musical baseado no romance de terror de Stephen King sobre uma garota do ensino médio com poder telecinético, viajou para a Broadway.

Com músicas de Michael Gore, letras de Dean Pitchford e um livro de Lawrence D. Cohen, o espetáculo teve um começo difícil em Stratford-upon-Avon, mas Hands, que dirigiu, o levou para Nova York de qualquer maneira. Os críticos eram indelicados, para dizer o mínimo. Rich, destacando uma cena envolvendo o abate de um porco, invocou outro famoso fracasso da Broadway.

"Somente a ausência de chifres separa os assassinatos de porcos de 'Carrie' dos 'Moose Murders' da Broadway", escreveu ele em sua resenha.

"Carrie" fechou três dias após a abertura e tem sido um ponto de referência teatral —e não de um jeito bom— desde então. Hands, no entanto, que durante seu mandato em Royal Shakespeare havia pressionado para expandir a empresa além de sua zona de conforto, sabia que o fracasso era uma possibilidade e abraçou o desafio.

"Você não pode negar que qualquer programa que comece com a menstruação no banho do ensino médio e termine com um assassinato duplo obviamente está correndo um risco", disse ele ao The Times alguns meses antes. "Mas essa é a atração também."

Terence David Hands nasceu em 9 de janeiro de 1941, em Aldershot, Inglaterra, sudoeste de Londres, filho de Joseph e Luise (Kohler) Hands. Frequentou a Universidade de Birmingham e a Academia Real de Arte Dramática, graduando-se em 1964 e tornando-se fundador do Everyman Theatre em Liverpool.

Seu tempo na Royal Shakespeare Company foi pontuado por batalhas por financiamento público que acabaram por prejudicá-lo.

“Sou assombrado pelo espectro de renascimentos sem fim de 'Peter Pan' para pagar por renascimentos sem fim de 'Peter Pan'”, disse ele à Associated Press em 1990, pouco antes de sair, referindo-se à peça de JM Barrie que foi uma Perene de Natal.

Ele expressou a esperança de que seu sucessor escapasse do fardo de "ter que gastar três quartos do dia levantando, economizando ou ganhando dinheiro".

Depois de deixar o Royal Shakespeare, trabalhou como diretor freelancer até 1997, quando respondeu a uma ligação de Theatr Clwyd, no nordeste do País de Gales, que estava prestes a fechar. Ele se tornou seu diretor artístico, trazendo alguma estabilidade às finanças e construindo um público favorável.

"Ele salvou o teatro do fechamento —isso é verdade, não exagero - e o protegeu dos contínuos cortes no financiamento público", disse Tamara Harvey, atual diretora artística do teatro, em comunicado.

Os casamentos casuais com Josephine Barstow na década de 1960 e Ludmila Mikaël na década de 1970 terminaram em divórcio. Em 2002, casou-se com Emma Lucia, uma diretora que sobrevive a ele, junto com uma filha de seu segundo casamento.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.