Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/08/2010 - 06h09

Segundo estudo, 85% de novos medicamentos oferecem pouca utilidade

Publicidade

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

As empresas farmacêuticas foram acusadas de enganar o público por anunciar medicamentos patenteados com poucas novidades a oferecer e, ao mesmo tempo, minimizar seus efeitos colaterais. A informação foi publicada no site do jornal britânico "Independent" na quarta-feira (18).

Um estudo concluiu que até 85% de novos remédios oferecem pouco ou nenhum benefício novo, e ainda podem causar danos graves, devido à toxicidade ou uso indevido.

O autor da pesquisa, Donald Light, professor da política de saúde comparada na Universidade de Medicina e Odontologia de Nova Jersey defende que "às vezes as companhias de drogas escondem ou ignoram informações sobre os graves efeitos colaterais e exageram sobre os benefícios das novas drogas. Em seguida, gastam duas ou três vezes mais em marketing do que em pesquisa para convencer os médicos a prescrever estas drogas novas. Os médicos podem obter informações enganosas e desinformar os pacientes sobre os riscos de uma nova droga."

O professor apresentou um documento sobre a crítica na terça-feira (17), na reunião anual da American Sociological Association, em Atlanta, Geórgia.

O estudo inclui dados de revisores independentes que indicam que 85% de novas drogas oferecem poucos --quando o fazem-- novos benefícios.

A promoção de uma droga começou com ensaios clínicos destinados a minimizar as provas dos danos e com publicações literárias que enfatizam suas vantagens, afirmou Light.

Com base neste fundamento, as empresas farmacêuticas encenaram campanhas maciças para vender o produto, quando um lançamento limitado controlado permitiria evidência de seus efeitos, argumentou.

Ele acusou as empresas de afundar a política de regulamento, bombardeando os órgãos que concedem licenças de drogas com um grande número de ensaios clínicos "incompletos e parciais".

Um estudo de 111 pedidos de remédios para aprovação final descobriu que em 42% estavam faltando dados de estudos; 40% foram apoiados por um teste falho de doses; 39% não tinham evidência de eficácia clínica; e 49% levantaram preocupações sobre graves efeitos colaterais, disse ele.

OUTRO LADO

Em comunicado, a Associação da Indústria Farmacêutica Britânica, declarou: "A acusação do professor Light é longa e, infelizmente, infundada. Existe agora uma maior transparência nos resultados de ensaios clínicos. A indústria farmacêutica britânica também adere a um estrito código de conduta sobre a venda e comercialização de seus produtos."

+ Livraria

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página