Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/08/2008 - 16h22

Madonna esbanja energia em primeiro show de turnê

IAN YOUNGS
da BBC, em Cardiff (Reino Unido)

Madonna iniciou sua nova turnê mundial em Cardiff, no País de Gales, provando aos fãs que ainda é capaz de brilhar no palco aos 50 anos de idade.

Em uma apresentação tipicamente cheia de energia, a superestrela pop tocou duas horas de hits de seus 25 anos de carreira.

Leia relatos de leitores sobre processo de compra de ingressos para shows de Madonna

Mande seu relato sobre a compra de ingressos com o assunto "shows da Madonna"

O show trouxe versões radicalmente trabalhadas de algumas de suas músicas favoritas do passado, como um remix tecno de Like a Prayer e uma versão roque de Borderline.

Luke MacGregor/Reuters
Primeiro show da turnê mundial da cantora Madonna ocorreu neste sabado, no Reino Unido
Primeiro show da turnê mundial da cantora Madonna ocorreu sábado, no Reino Unido

"Ela fica melhor com a idade", disse Lewis Aldous, 23, de Brentwood. Ele disse que a aparência de Madonna estava "incrível", que ainda acrescentou: "Ela parece estar nos seus 30 anos. Esta é a turnê mais agitada dos últimos tempos, principalmente Like a Prayer."

Maria Paradisis, de 32 anos, que viajou de Sydney, Austrália, para o show, disse que a dança de Madonna era "magnetizante". "Ela ainda consegue balançar como se fosse uma garota de 20 anos de idade", disse a fã.

Decepção

Porém, alguns fãs no Millennium Stadium não estavam tão empolgados com a mais recente reinvenção da artista.

"Ela não fez nada das coisas tradicionais pelas quais ela é tão amada", disse Susan Harvey, de Cardiff, no Reino Unido. "Por 85 libras (R$ 255) o ingresso, eu fiquei muito decepcionada", afirmou.

Danielle Wheeler, de 26 anos, disse que ela "não é tão boa como a Kylie [Minogue]", enquanto que Stephanie Olokopa, de 20 anos, de Londres, deu ao show uma nota seis em uma escala de dez pontos. "Ela estava atrasada e nem agradeceu ao público", disse.

O show foi o primeiro de 51 para a superestrela do pop, que comemorou seu aniversário há uma semana.

A produção envolveu 250 funcionários, 16 dançarinos, oito trocas de roupa e 1 milhão de libras de jóias.

O show foi dividido em quatro partes --Pimp (cafetina), Old School, Gypsy (cigana) e Rave.

Luke MacGregor/Reuters
Madonna faz shows no Brasil em dezembro; venda de ingressos gera muita polêmica
Madonna faz shows no Brasil em dezembro; venda de ingressos gera muita polêmica

Madonna apareceu em um trono de couro preto incrustado com jóias formando a letra M nas costas.

Abrindo com Candy Store, a primeira faixa de seu mais recente álbum Hard Candy, a seção Pimp foi caracterizada por trajes pretos reveladores de Madonna e sua trupe.

Quando um carro conversível entrou em cena, o veículo levou Madonna e seus dançarinos em direção ao público, com Madonna agarrando o chapéu branco do motorista antes de empurrar o carro de volta.

Velhos tempos

O espetáculo visual intrincadamente planejado foi tão potente como a música, e Madonna é mestre em utilizar cor, trajes e coreografia com sucesso.

Para Vogue, ela foi levantada por quatro dançarinos vestindo longas luvas pretas e botas e pouco mais do que isto.

Depois disso, veio a etapa Old School --que pretendia evocar suas raízes de Nova Yorque nos anos 80-- com Madonna aparecendo em shorts vermelhos, meias pop e uma corda de pular, rodeada pelas crianças de Fame.

Into the Groove foi o primeiro de seus hits dos anos 80 que foi renovado, acompanhado de um baixo pesado e um piano trance.

Ela então pegou uma guitarra para Borderline, apoiada por uma banda de rock mais convencional.

A estrela vestiu óculos em forma de coração para She's Not Me, de seu último álbum, com seus vídeos antigos aparecendo atrás dela.

Quando quatro dançarinos apareceram como Madonna em várias etapas de suas carreira, a cantora foi abusar deles antes de começar uma dança bastante frenética e nervosa.

Cigana

Com seus cabelos longos e ondulados, bom preparo físico e vigor interminável, ela não parece tão diferente da Madonna de algumas décadas atrás.

A etapa Gypsy começou com Madonna debaixo de um manto preto se retorcendo em cima de um piano, antes de seus dançarinos vestirem robes com capuz para Spanish Lesson.

Eles arrancaram os robes para revelar camisas reluzentes de cores berrantes e iniciar uma dança de estilo flamenco. Nem tudo fez sentido --mas estava bonito, e isto, você pode suspeitar, é o que importa para Madonna.

Com seus amigos deslumbrantes, ela tocou uma versão Europop de La Isla Bonita, acompanhada de um grande violinista barbudo com uma camisa de lantejoulas.

A última etapa foi Rave, que começou com um par de ombreiras de futebol americano para seu recente hit 4 Minutes.

Tudo então se transformou em uma grande rave quando a rainha do pop tocou versões tecno de Like a Prayer e Ray of Light. Durante Like a Prayer, telas atrás dela mostravam nomes de figuras sagradas de várias religiões e frases de textos famosos.

Batidas fortes

A maioria do público pareceu se animar com os remixes dance. Porém, quando ela desafinou uma guitarra vestida com um top prateado extremamente justo, rodeada de criaturas futurísticas durante Ray of Light, com laseres sobre sua cabeça, era tentador pensar que talvez ela deveria se acalmar só um pouquinho.

A noite inteira gerou a sensação de um grande clube noturno - e isto foi algo que alguns puristas não gostaram.

Porém, batidas fortes fizeram as músicas novas mais medíocres mais passáveis e o embalo foi mantido por música constante mesmo quando ela não estava no palco.

Agora que Madonna atingiu os 50, ela parece até mais determinada para provar que ela não fica parada e ela com certeza não diminui o ritmo.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página