Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca na Copa

Padrão Baka

Por mais exigências que a Fifa faça, ela se vê diante da nossa capacidade em bagunçá-las

BAKA É o apelido de Ricardo Trade, o número 2 do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo. Ex-goleiro da seleção brasileira de handebol, ele acabou funcionando como o número 1 porque, desde que José Maria Marin substituiu Ricardo Teixeira, o COL deixou de preocupar o regiamente pago (mais de R$ 100 mil mensais) chefe da empresa, braço da Fifa.

Marin não nega que se preocupa só com a seleção brasileira, embora não haja notícias de que tenha aberto mão da fortuna que recebe. Daí também não terem surpreendido todas as barbaridades que vimos na abertura da Copa. A começar pela festa, plastificada, confusa, sem suingue, fria como um baile de esquimós.

Mais de 48 horas após o primeiro jogo, lidas todas as avaliações na imprensa nacional e boa parte do que se publicou pelo mundo afora, por mais que em alguns aspectos o estádio corintiano tenha oferecido melhores condições que o Soccer City há quatro anos, a chegada, por exemplo, foi muito mais fácil, as deficiências foram mesmo de envergonhar Ronaldo Fenômeno, por sinal, membro do COL.

Porque se a festa não tem maior importância --e a Fifa faria bem em desistir dela porque jamais conseguiu organizar uma que se comparasse às dos Jogos Olímpicos--, detalhes como a comunicação sem fio, a iluminação, o serviço de bares e restaurantes, a telefonia, a saída do estádio, deixaram muito a desejar e não escaparam das críticas pelo mundo afora.

Porque Baka não sabe que Deus mora nos detalhes e, preocupado em defender como goleiro, no mais das vezes é o que tem feito desde que assumiu a posição que seu currículo não justifica, escolhido apenas por critérios de compadrio.

Tudo aquilo que foi previsto, infelizmente, aconteceu, também porque por mais que faça milagres, goleiros não são deuses.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página