Tartaruga gigante de Galápagos considerada extinta há um século é encontrada

Há 15 espécies de tartarugas no arquipélago, das quais duas já foram extintas

Quito (Equador) | AFP

Um exemplar de uma das espécies endêmicas de tartaruga gigante do arquipélago equatoriano de Galápagos, considerada extinta há um século, foi encontrada em uma expedição na Ilha Fernandina, informou nesta terça-feira (19) o ministro do Meio Ambiente, Marcelo Mata.

"A expedição liderada por @parquegalapagos e @SaveGalapagos, localizaram um exemplar da espécie da tartaruga Chelonoidis phantasticus, que se acreditava estar extinta há mais de 100 anos", postou Mata, em sua conta no Twitter.

Tartaruga gigante do arquipélago equatoriano de Galápagos
Tartaruga gigante do arquipélago equatoriano de Galápagos - Rodrigo Buendia/AFP

Mata não deu mais detalhes sobre a descoberta da tartaruga pela equipe do Parque Nacional de Galápagos (PNG) e da Galapagos Conservancy, sediada nos EUA, que apoia a preservação das ilhas encantadas no Pacífico equatoriano.

A Chelonoidis phantasticus, própria da ilha Fernandina, é uma das 15 espécies de tartarugas gigantes de Galápagos, das quais já desapareceram exemplares da Chelonoidis spp (ilha Santa Fe) e da abigdoni (Pinta).

Galápagos faz parte da reserva da biosfera e serviu para que o naturalista inglês Charles Darwin desenvolvesse a teoria sobre a evolução das espécies.

As tartarugas gigantes chegaram há três ou quatro milhões de anos à região vulcânica de Galápagos. Acredita-se que as correntes marinhas dispersaram seus exemplares ao redor das ilhas, e foi assim que 15 espécies diferentes foram criadas —das quais no momento dois estão formalmente extintas—, cada uma adaptada ao seu território.

O outro lugar no mundo onde sobrevive outra espécie de tartaruga gigante terrestre é a ilha Aldabra, no Oceano Índico.

As tartarugas galápagos têm variantes genéticas ligadas à reparação do DNA, com poder de cura que lhes permite ter vida longa, de acordo com o PNG.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.