Siga a folha

Descrição de chapéu desmatamento

Após pressão de investidores, BC inclui sustentabilidade em agenda institucional

Autoridade monetária segue tendência do mercado financeiro por retomada econômica mais sensível às causas ambientais

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Tenha acesso ilimitado: Assine ou Já é assinante? Faça login

Brasília

O Banco Central incluiu, nesta terça-feira (8), o tema sustentabilidade em sua agenda institucional, chamada de Agenda BC#. Com a iniciativa, a autoridade monetária segue tendência do mercado financeiro global e cede à pressão de investidores e empresas por uma retomada econômica mais sensível às causas ambientais.

"A questão ambiental definitivamente entrou na ordem do dia", frisou o presidente do BC, Roberto Campos Neto, em evento de apresentação das novas ações. "Há um mito de que sustentabilidade reduz a produtividade, mas isso não existe", completou.

Além de medidas internas, as novas iniciativas são relacionadas às políticas de crédito, de supervisão e regulação voltadas à sustentabilidade. O BC vai incluir, por exemplo, o conceito de risco climático na regulação e nos testes de estresse (quando é simulado o pior cenário econômico e como o sistema financeiro se comportaria).

"Resultados ruins nos testes de estresse vão requerer mais capital para fazer frente aos riscos, então instituições financeiras vão ter atenção especial a esse critério e vão se adaptando imediatamente, mesmo que a regulação fique para 2022", disse o diretor de regulação do BC, Otávio Damaso.

A agenda também prevê aumentar em até 20% nos limites de contratação para operações de crédito rural que reúnam características de sustentabilidade.

A autarquia vai produzir relatório anual de riscos socioambientais do BC, como forma de prestação de contas. Além disso, a autoridade monetária pretende incluir critérios de sustentabilidade para a seleção de empresas que gerenciam as reservas internacionais e para a seleção dos investimentos.

Internamente, a agenda traz ações como redução do impacto ambiental nos de meio circulante (produção e distribuição de papel-moeda). Haverá ainda incentivo ao uso de bicicleta e carona solidária, à reciclagem e redução do uso de plásticos no BC.

"As ações incluídas no pilar sustentabilidade englobam medidas de responsabilidade Socioambiental direcionadas tanto ao sistema financeiro quanto ao próprio BC", disse a diretora de assuntos internacionais da autarquia, Fernanda Nechio.

A diretora afirmou que eventos climáticos se tornaram mais recentes.

"Eles vêm acompanhados de alterações nas principais variáveis econômicas, além de trazerem riscos significativos para o sistema financeiro. Choques climáticos afetam preços relativos na economia e, portanto, podem ter impactos sobre nossas decisões de política monetária", explicou.

A agenda divulga medidas a serem tomadas pelo BC no curto, médio e longo prazos. Antes, ela tinha os assuntos inclusão, competitividade, transparência e educação. Agora, foi incluído o tema sustentabilidade.

Medidas relacionadas a inovações, por exemplo, como o sistema de pagamentos instantâneos (Pix), entra no item competitividade. Na lista, o BC divulga o desenvolvimento de cada medida, se foi concluída ou não.

PRESSÃO

Nos últimos meses, o Brasil sofreu pressão dos investidores, economistas e empresas do resto do mundo e internos para que o país adote ações mais sustentáveis, principalmente com relação ao desmatamento na Amazônia.

Em junho, 29 fundos de investimento e pensão, que juntos administram aproximadamente US$ 4,1 trilhões (R$ 21,6 trilhões), enviaram carta aberta a sete embaixadas brasileiras na Europa e no Japão e nos Estados Unidos pedindo uma reunião para discutir o desmatamento na Amazônia.

Em julho, um grupo formado por ex-ministros da Fazenda e ex-presidentes do Banco Central assinou uma carta conjunta reivindicando uma retomada da economia no pós-pandemia atenta às mudanças climáticas e pelo fim do desmatamento na Amazônia e no Cerrado.

No mesmo mês, 36 companhias e quatro organizações empresariais protocolaram junto à Vice-Presidência da República e ao Conselho Nacional da Amazônia Legal, presidido pelo vice-presidente Hamilton Mourão, uma carta pedindo o combate “inflexível e abrangente” ao desmatamento ilegal na Amazônia e demais biomas brasileiros.

No mês passado, empresários e representantes de associações do setor privado se reuniram com governadores de estados da Amazônia legal para criação de metas para combater o desmatamento ilegal, inclusive com adoção de ação policial contra o crime organizado ligado à grilagem de terras.

As ações do BC fazem parte de um esforço para reverter a imagem negativa do Brasil na área ambiental.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas