Siga a folha

Golpistas criam sites de fachada para oferecer empréstimos falsos; saiba como evitar

Febraban alerta que bancos não pedem adiantamento ou pagamento de taxa para emprestar dinheiro

Assinantes podem enviar 5 artigos por dia com acesso livre

ASSINE ou FAÇA LOGIN

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

Oferta Exclusiva

3 meses por R$1,90

+ 6 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA
ou

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 200 colunas e blogs.
Apoie o jornalismo profissional.

São Paulo

Criminosos têm criado sites de fachada para aplicar o golpe do empréstimo falso, segundo alerta da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) desta terça-feira (23). As vítimas veem ofertas de crédito com condições melhores do que as do mercado e cedem dados para demonstrar interesse pela proposta. Dessa maneira, os estelionatários definem seus alvos.

O autônomo Mauro Sérgio Cordeiro recebeu uma oferta de empréstimo com condições vantajosas via WhatsApp. A autora da proposta dizia ser corretora da BV Financeira, e pediu um adiantamento para liberar o montante emprestado. Após o envio do dinheiro, ela deixou de responder, e Cordeiro ficou com um prejuízo de R$ 900.

O golpe do falso empréstimo pode ter origem em redes sociais, aplicativos de mensagem, sites falsos ou telefone. A promessa de crédito com juros inexistentes no mercado caracteriza essa estratégia de estelionato. Os autores do crime podem se passar por funcionários de instituições reais.

Antes de adquirir um empréstimo, cheque a procedência do site em plataformas de avaliação de imprensa, como o Reclame Aqui e a lista de sites reprovados do Procon. Sites fraudulentos também costumam ter erros técnicos e ortográficos. - Stock Adobe

Para conseguir dinheiro do alvo, criminosos pedem adiantamento de parcelas, de taxas ou impostos. Outros selam contratos com multas por desistência do negócio com as vítimas, e pressionam pelo pagamento —ameaças como a inclusão em listas de inadimplentes é comum.

"Não existe nenhum empréstimo em que a pessoa tenha que fazer qualquer tipo de pagamento antecipado, seja de impostos, de preenchimento de cadastro ou de supostos adiantamentos de parcelas. Este tipo de abordagem é golpe", diz o diretor do Comitê de Prevenção a Fraudes da Febraban, Adriano Volpini.

Serviços

O consumidor precisa, antes de qualquer coisa, verificar a procedência das ofertas de empréstimo. O site do Banco Central permite verificar se a instituição mencionada é autorizada pelo Banco Central a oferecer empréstimos.

Interessados em empréstimos também podem obter informações sobre o negócio em questão em Reclame Aqui, redes sociais ou ver se a entidade consta na lista de sites reprovados do Procon.

Os sites de fachada com formulários para recolher informações são típicos do golpe conhecido como phishing —uma referência ao verbo pescar, em inglês, já que há uma isca. O Brasil está entre os países que mais sofrem com essa fraude, de acordo com a empresa de cibersegurança Kaspersky.

Acessar sites de entidades financeiras por meio de aparelhos confiáveis e atualizados diminui a chance de golpe, segundo o diretor da equipe de pesquisa da Kaspersky para a América Latina, Fabio Assolini.

Usar computador também aumenta a segurança. Navegadores de celular nem sempre permitem a visualização de todo o endereço do site. Têm ainda menos proteções nativas contra ataques de phishing.

"Se a vítima acessar o link a partir de um desktop, a página fraudulenta irá exibir um aviso dizendo que está disponível apenas a partir do smartphone", diz o especialista da Kaspersky.

Questionada pela reportagem, a Febraban não soube responder quantos casos de golpe de empréstimo falso foram registrados nos últimos meses nem o prejuízo causado pela fraude.

Na sexta-feira (19), a Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu 15 pessoas em flagrante, por aplicar o golpe do falso empréstimo consignado, no centro de Niterói. Os acusados atuavam em um escritório com computadores e aparelhos telefônicos. A estrutura era correspondente a uma base de telemarketing, diz nota da Polícia Civil.

Os policiais encontraram roteiros de diálogos para execução da fraude e também documentos das vítimas —comprovantes de residência, dados cadastrais e outras provas dos crimes.

A assessoria da Polícia Civil fluminense afirma que essas operações são frequentes. O golpe é comum e mira, sobretudo, aposentados e beneficiários de programas do governo com direito à crédito consignado.


COMO SE PREVENIR

A Divisão de Crimes Cibernéticos, da Polícia Civil de São Paulo, elaborou uma cartilha com meios de prevenção contra golpes na internet. Veja abaixo algumas medidas para evitar a fraude do falso empréstimo:

  1. Procure utilizar aparelhos seguros;
  2. Leia atentamente as informações no site que oferta empréstimos. Sites fraudulentos podem conter erros de português e em especificações técnicas;
  3. Pesquise o CNPJ e o endereço informados no site;
  4. Desconfie de juros muito baixos;
  5. Realize pesquisas na internet para obter informações a respeito da reputação do site na plataforma Reclame Aqui, nas redes sociais e na lista de sites de má reputação do Procon
  6. Procure o ícone de cadeado ao lado direito do endereço do site para verificar se a página é segura;
  7. Confira para quem o pagamento é realizado;
  8. Evite clicar em links que direcionam a navegação diretamente ao site de empréstimo. Prefira digitar o endereço do site na barra de endereço

Segundo a cartilha, os sites fraudulentos geralmente tem o endereço muito semelhante ao site verdadeiro. É importante se atentar às sutilezas.

FUI VÍTIMA, O QUE FAZER?

a) Verifique se o site ainda está ativo e copie seu endereço;
b) Faça um print da página e do produto anunciado;
c) Providencie cópias do boleto, dados bancários utilizados para o pagamento ou transferência. Guarde os comprovantes;
d) Procure a Delegacia de Polícia mais próxima de sua casa ou registre um Boletim de Ocorrência Eletrônico apor meio do site da Delegacia Eletrônica, na opção outros crimes.

É importante informar o crime às autoridades para iniciar uma investigação sobre o fato ou outros crimes similares.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas