Descrição de chapéu Há 50 anos

1969: Sob tensão, realeza revive tradição na investidura do príncipe de Gales

A rainha Elizabeth 2ª nomeia o príncipe Charles como príncipe de Gales em cerimônia no castelo de Caernarfon.
A rainha Elizabeth 2ª nomeia o príncipe Charles como príncipe de Gales em cerimônia no castelo de Caernarfon. - Reprodução
São Paulo

Charles Philip Arthur George, aos 20 anos de idade, foi investido como príncipe de Gales nesta terça-feira (1º) no Reino Unido. Durante a cerimônia, no Castelo de Caernarfon, no País de Gales, o herdeiro do trono britânico ajoelhou-se diante de sua mãe, a rainha Elizabeth 2ª, que lhe entregou uma espada, uma coroa de ouro, avaliada em 20 mil libras (equivalente hoje a cerca R$ 106,1 mil), e o anel de ametista do condado de Chester, símbolo de responsabilidade. Em seguida, a mãe colocou sobre os ombros do filho a capa de cor púrpura com gola e forro de arminho.

Após a coroação, o príncipe de Gales, com suas mãos nas mãos da rainha, pronunciou o juramento de fidelidade: “Eu, Charles, príncipe de Gales, me proclamo vosso servo de corpo e alma e juro por minha honra e minha fé servir-vos até a morte e contra toda a classe de pessoas.”Vestido com um uniforme azul do regimento real de Gales, do qual é coronel honorário,  Charles viu o evento ter início às 15h (horário local). A investidura foi marcada por tranquilidade, apesar do clima de muita tensão que antecedeu o evento.

Charles, que se tornara o 21º príncipe de Gales em 26 de julho de 1958, teve que sair durante a noite de Londres para se deslocar até o castelo do evento. E o trem real que o transportou teve a viagem interrompida em três oportunidades, devido às ameaças de bombas colocadas nas linhas.

Nas primeiras horas do dia, dois galeses que levavam explosivos nos bolsos foram vítimas da própria trama. E os correios de Bangor e Swansea tiveram que ser esvaziados devido às ameaças telefônicas de atentados com dinamite. 

Um dos momentos mais críticos foi a explosão de uma bomba perto da via férrea, próximo de Caernarfon, na rota do trem real. Dois jovens foram detidos pela polícia. E essa tensão cresceu quando a carruagem real foi atingida por um objeto no caminho até o castelo.

De acordo com testemunhas, um ovo foi arremessado contra o veículo —outros disseram ter sido apenas uma bola de papel. Mais de 200 mil pessoas acompanharam uma das tradições mais caras e solenes da história da realeza britânica. Entre os convidados, estava Tricia, filha do presidente dos EUA, Richard Nixon. 

Sob aplausos, o príncipe respondeu a declaração de lealdade ao povo em galês, idioma aprendido nas nove semanas em que frequentou a Universidade de Gales. Após a rainha apresentar seu filho à multidão, a pequena cidade de Caernarfon, de 12 mil habitantes, acompanhou um ritual religioso, com autoridades da Igreja Católica, e ainda assistiu ao cortejo real. A rainha Elizabeth 2ª voltou a Londres com o marido, o príncipe Phillip, enquanto Charles participou de um baile no iate real Britannia.

 
Primeira página da Folha de S.Paulo de 2 de julho de 1969
Primeira página da Folha de S.Paulo de 2 de julho de 1969 - Folhapress


 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.