Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/02/2013 - 04h38

Meteoro na Rússia impulsiona busca por objetivos vindos do espaço

Publicidade

WILLIAM J. BROAD
DO "NEW YORK TIMES"

Há décadas, os cientistas procuram objetos mortíferos vindos do espaço que poderiam devastar o planeta.

Porém, as advertências de que eles não possuíam os instrumentos necessários para detectar as ameaças mais sérias foram, em geral, ignoradas.

Não são mais. O meteoro que abalou a Sibéria em 15 de fevereiro, ferindo centenas de pessoas e traumatizando milhares, subitamente deu nova vida às iniciativas para a construção de instrumentos de detecção adequados, especialmente um telescópio que rastrearia o sistema solar em busca de riscos.

Um grupo de jovens empresários do Vale do Silício que ajudou a construir empresas pujantes como o eBay, o Google e o Facebook já aplicou milhões de dólares nessa iniciativa e viu a onda de choque na Rússia como uma oportunidade para levantar mais centenas de milhões.

"Não seria tolo se fôssemos arrasados porque não estávamos olhando?", disse Edward Lu, ex-astronauta da Nasa e executivo do Google que lidera o esforço de detecção.

O grupo do doutor Lu, sediado em Mountain View, na Califórnia, e chamado de Fundação B612 por causa do asteroide imaginário do Pequeno Príncipe, é uma das várias equipes que buscam maneiras de evitar ameaças extraterrestres. A Nasa é outra, e mais grupos privados estão surgindo, como o Planetary Resources, que quer não apenas identificar asteroides próximos da Terra, mas também eliminá-los.

O lento despertar para o perigo começou há muito tempo, quando cientistas encontraram centenas de cicatrizes rochosas que indicavam que invasores cósmicos haviam modificado o planeta.

As descobertas incluíam não apenas características óbvias, como a Cratera do Meteoro, no Arizona, mas vastas áreas de comoção geológica.

Uma cratera com mais de 160 quilômetros de largura abaixo da península de Yucatán, no México, sugere que 65 milhões de anos atrás uma rocha em alta velocidade vinda do espaço causou um caos planetário suficiente para pôr fim ao reinado dos dinossauros.

Algumas pessoas continuam céticas sobre a ameaça cósmica e preferem que o dinheiro dos contribuintes vá para problemas urgentes na Terra.

Mas muitos cientistas que examinaram essas questões estão convencidos de que melhores precauções são garantias necessárias, assim como proprietários de casas compram seguros para eventos improváveis que podem resultar em graves danos à vida e à propriedade.

A partir dos anos 1980 e 1990, astrônomos voltaram aos seus telescópios para o céu com maior vigor em busca de rochas fatais. O raciocínio era estatístico. Eles sabiam de diversos casos de quase acidentes e calcularam que muitas outras rochas girando pelo Sistema Solar tinham passado despercebidas.

Em 1996, sem muito alarde, a Força Aérea americana também começou a vasculhar o céu em busca de rochas, dando credibilidade a uma atividade antes reservada aos entusiastas do Juízo Final.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página