Cidadezinha vira destino de devotos de santo Expedito

Município em São Paulo recebe 50 mil no dia do patrono das causas urgentes

Emerson Voltare
Santo Expedito (SP)

"Meu santo Expedito das causas justas e urgentes, interceda por mim." "Vós que sois o santo dos aflitos, vós que sois o santo dos desesperados." "Atendei ao meu pedido com urgência. Devolvei-me a paz e a tranquilidade."

No dia em que se revive a Paixão de Cristo, nesta sexta-feira (19), uma cidade no oeste paulista, a 601 km de São Paulo, recebe milhares de fiéis que também oram, agradecem e pedem ajuda ao santo das causas justas e urgentes.

Dentre as muitas causas urgentes do brasileiro estão as relacionadas à renda e ao desemprego. "Vivo de bicos desde 2016. Desde o fim do ano passado, nem isso aparece" diz o engenheiro civil Fabricio Angelo, 26, que participava pela primeira vez de caminhada de três dias com devotos.

Segundo o padre e historiador José Oscar Beozzo, 78, santo Expedito é um fenômeno brasileiro do século 20. "Até o século 19, não havia paróquia ou capela em homenagem ao militar romano."

A cidade de Santo Expedito quer se tornar a capital da fé desse santo. Faz não muito mais que 20 anos que devotos de todo o país descobriram a cidade emancipada em 1958, com população estimada em 3.000 habitantes e que se multiplica por quase 20 em 19 de abril, dia do santo.

Para abrigar tanta gente, há dez anos o pároco local comanda a construção de um santuário de 10 mil m², em um espaço de quase 15 hectares, que, quando estiver pronto, acomodará o equivalente à população da cidade sentada.

"Já havia a ideia do construção desde 1999, mas não saía do papel. Quando assumi a paróquia lancei o desafio na comunidade", diz o padre Umberto Bastos, 53.

No ano passado, segundo os organizadores, cerca de 50 mil pessoas foram à cidade no dia do santo. A expectativa deste ano é de 60 mil.

O estacionamento do novo templo terá vagas para 300 carros e cerca de uma centena de ônibus de romeiros.

A construção do santuário, que está na fase da cobertura, já consumiu R$ 10 milhões, arrecadados principalmente em festas e campanhas. Doadores têm seus nomes gravados em monumentos no entorno do templo.

"Estimamos que precisamos de mais R$ 5 milhões para finalizar e arrumar a infraestrutura do entorno", diz o engenheiro Luiz Takashi Katsutani, 64, um dos responsáveis pela execução do projeto.

Nesta quinta (18), um grupo de 300 romeiros veio em caminhada por 100 km de Caiuá (SP), quase na fronteira com o Mato Grosso do Sul.

A Folha participou dos últimos 12 km da peregrinação, entre a vizinha Emilianópolis e Santo Expedito.

Pela primeira vez na caminhada, que começou com cinco fiéis em 2009, o agricultor Miraldo Berscht, 50, carregava a maior e mais pesada das cruzes, com cerca de 6 m e 40 kg.

"Vim agradecer pela saúde da minha filha. Pediram para eu orar por santo Expedito", diz ele. Anamable, 14, foi diagnosticada com câncer de abdômen há dois anos, mas agora está bem, segundo o pai.

O turismo religioso em Santo Expedito ainda representa menos de 10% da arrecadação local. Indiretamente, porém, já há incremento no comércio, com mais lojas, bares, restaurantes e padaria.

Para o prefeito Ivandeci José Cabral (PMDB), 67, porém, um crescimento maior só virá com a finalização do santuário. "Há proposta para construção de dois hotéis. Por enquanto quem vem para cá, fica em pensões, casas alugadas. Hotel só em Prudente."

José Soares de Oliveira, 80, servidor público aposentado no interior de Alagoas, pega todo ano um avião em Maceió para participar da festa de seu santo de devoção.

Já o ceramista João Lucena, 59, agradece Santo Expedito pela oportunidade profissional. Diz que fazer os cerca de 6 mil tijolinhos de lembrança da construção do santuário o ajudou a deixar o alcoolismo e lhe garantiu prosperidade.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.