Damares vai a Suzano discutir combate a suicídio e automutilação

Educadores e conselheiros tutelares serão capacitados para lidar com a questão

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, esteve na cidade de Suzano (Grande São Paulo) nesta segunda-feira (13) para discutir a criação de um projeto-piloto de prevenção ao suicídio e à automutilação nas escolas.

Será a primeira ação concreta dentro da campanha “Acolha a Vida”, lançada em abril pelo governo federal, cujo objetivo é prevenir a violência autoprovocada.

Damares afirmou que pretende começar a estabelecer um organograma de trabalho no município, palco de um massacre em março que deixou 8 mortos e 11 feridos, na próxima semana. A principal medida será a capacitação de educadores, médicos e conselheiros tutelares para lidar com a questão.

A iniciativa é realizada em parceria com os ministérios da Saúde, da Educação e da Cidadania. A ministra afirmou que o projeto tem sido capitaneado pela pasta da qual é titular porque resolver a questão “é um clamor das famílias”.

“É a família brasileira que está pedindo socorro. Pais, e muitos pais, estão pedindo socorro porque não sabem o que fazer. Então esse ministério vem dando o pontapé inicial”, afirmou.

A ministra se reuniu com o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, vereadores e conselheiros tutelares da cidade.

A ação começa em Suzano e será estendida para todo o país. Segundo ela, o objetivo é que em um ano tenham “números bem menores” de automutilação e suicídio, sem dizer quanto exatamente.

As maiores vítimas, afirmou, são jovens entre 12 e 18 anos. E, em algumas regiões, há “mais meninas se cortando do que meninos”. “As crianças hoje, os nossos adolescentes hoje, não estão sabendo lidar com seus conflitos, e nós precisamos entender que isso não é fenômeno só no Brasil, é fenômeno mundial”, disse.

Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves - Pablo Valadare/Câmara dos Deputados

Questionada sobre o decreto do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que flexibiliza o porte de armas e facilita o acesso de jovens a aulas de tiro, a ministra afirmou que “o pai e a mãe têm que ser muito responsáveis e saber se o filho está pronto para fazer essa aula".

Um dos autores do massacre, Guilherme Taucci, 17, foi junto com o outro adolescente apontado como líder intelectual do ataque até um estande de tiros cinco dias antes do crime. Os dois treinaram disparos com armas airsoft e arco e flechas.

“Essa é uma situação muito isolada, de Suzano. Países em que pais levam filhos para fazer tiro, a pesquisa não indica que crianças que fazem tiro, os pais estão levando para essas crianças saírem matando”, afirmou.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.