Enquanto STF torna público plano de vacinação da Covid-19, Pazuello vai a almoço com Zezé di Camargo

Ministro da Saúde tirou fotos, sem máscara, ao lado de cantor; encontro foi na casa Ibaneis Rocha

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

No dia em que coube ao Supremo Tribunal Federal tornar público o plano inicial de vacinação do Ministério da Saúde contra o coronavírus, o ministro Eduardo Pazuello (Saúde) reservou parte deste sábado (12) para almoçar na casa do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), encontro que teve a presença do cantor sertanejo Zezé di Camargo.

A reunião foi confirmada pela assessoria de imprensa do governador.

Em uma das fotos tiradas no almoço, Pazuello aparece ao lado de Ibaneis, do cantor e de outras duas pessoas. Todos estão sem máscara.

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello (segundo da dir. para a esq.), durante almoço neste sábado (12) na casa do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), à direita, encontro que contou com a participação, entre outros, do cantos sertanejo Zezé di Camargo (ao centro) - Divulgação

Neste sábado, o país chegou ao total de mais de 181 mil mortos em decorrência da pandemia, 686 confirmadas nas últimas 24 horas segundo balanço da própria pasta.

O ministro vem sofrendo pressão nos últimos dias para que apresente um plano de imunização da população contra a Covid-19, especialmente depois que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou o cronograma de imunização do estado.

Em 7 de dezembro, Doria anunciou para 25 de janeiro o início da vacinação dos moradores com a Coronavac. A produção é feita em parceira do Instituto Butantan com a chinesa Sinovac.​

O ministério promete anunciar o plano à população na próxima quarta (16).

O plano foi tornado público neste sábado (12) pelo ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal). Ele recebeu ofício da pasta em resposta a questionamento para embasar julgamento de ações de partidos da oposição que pedem à Justiça que obrigue o governo a montar e divulgar um plano.

O ministério alegou que o envio ao STF ocorreu para atender aos prazos legais. "O plano poderá sofrer mudanças, uma vez que ainda não existe nenhuma vacina liberada pela Anvisa."

A assessoria de Pazuello disse que o ministério da saúde respondeu a todos os questionamentos dos jornalistas neste sábado e que o plano precisava ser entregue ao STF por cumprimento de prazos legais, em decorrência das ações.

A assessoria afirmou não ver problema no almoço e reafirmou que o ministério fará a divulgação oficial na quarta.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.