SP tem 34 homicídios em fevereiro de 2021, menor quantidade de série histórica

Queda de 44,3% na capital não evitou alta de 9,6% dos assassinatos no estado, puxada por forte crescimento de crimes no interior

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Os homicídios dolosos (intencionais) tiveram uma queda de 44,3% na cidade de São Paulo em fevereiro deste ano em comparação ao mesmo período do 2020. Eles caíram de 61 vítimas de fevereiro do ano passado para os 34 assassinatos no mês passado, a menor quantidade da série histórica, iniciada em 2001, de todos os meses.

Em fevereiro daquele ano, a cidade de São Paulo registrou 471 homicídios –ou 1.285% acima do registrado agora, segundo dados divulgados pelo governo paulista.

A queda histórica nas mortes intencionais na capital não foi suficiente para impedir, porém, novo aumento nesse tipo de crime no estado, que teve crescimento de 9,6% –eles subiram de 218 para 239 vítimas.

O principal motivo foi novo aumento desse tipo de crime no interior, de 38%, em comparação ao mesmo período do ano passado. Eles subiram de 108 para 139 vítimas de crimes.

Em janeiro deste ano, o crescimento no estado também havia sido puxado pelo interior (20%). Agora, porém, a Grande São Paulo também registrou aumento de 14%, em comparação ao mesmo período de 2020. O aumento, em números absolutos, foi de 49 para 56 vítimas.

Para o secretário-executivo da Polícia Militar, Álvaro Camilo, a redução dos homicídios dolosos na capital está ligado ao aumento expressivo do número de policiais trabalhando nas ruas, incluindo na dispersão de pessoas e, também, o combate ao tráfico de drogas que ajudam na redução dos assassinatos.

“No interior você não tem o homicídio como ocorre aqui, porque você não tem tantas comunidades quanto você tem na capital. Acontece muito nas áreas periféricas. Lembrando que os crimes contra o patrimônio acontecem nas áreas centrais, mais abastadas, e o crime contra pessoas, nos bairros mais afastados, ou dormitórios, nos bairros mais adensados”, afirma o secretário.

Ainda de acordo com Camilo, diferentemente da capital, os crimes de homicídio doloso não estão ligados ao consumo de droga e álcool, como na capital.

“O homicídio lá [no interior] não é muito ligado a esse ambiente conturbado, do adensamento urbano, lá o homicídio é mais a briga mesmo, o pessoal se cortando com faca, ou até arma de fogo, mas não em razão de favela ou comunidade. Por isso, a presença policial aqui interferiu bastante nessa questão.”

Além dos homicídios dolosos, também houve aumento no estado dos crimes de estupro, em especial de vulneráveis –como crianças. O aumento de crimes contra as pessoas mais frágeis foi de 15,4%: eles foram de 643 registros para 742. No total, foram de 885 para 983 (alta de 11%).

Os crimes patrimoniais seguiram a tendência de queda, com exceção para os roubos de carga, que tiveram alta de 0,7%. Eles foram de 519 para 523 –ou quatro casos a mais, sempre comparando fevereiro de 2020 com o mês passado.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.