Demitido por Bolsonaro, Vélez diz que entrega MEC 'com a casa em ordem'

Ministro teve passagem turbulenta marcada por atritos entre bolsonaristas e militares

Paulo Saldaña
Brasília

Demitido nesta segunda (8) do cargo de ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez despediu-se dizendo que entrega o posto "com a casa em ordem".

O economista Abraham Weintraub assumiu nesta terça (9) como ministro em cerimônia no Palácio do Planalto com a presença do presidente Jair Bolsonaro

Na sequência, houve novo evento, agora sede do MEC, para transmissão do cargo com a presença de Vélez, que não compareceu ao Planalto.

A saída de Vélez ocorre em meio a uma crise envolvendo disputas entre militares e seguidores do escritor Olavo de Carvalho. Weintraub assume a pasta sem secretário de Educação Básica e o presidente do Inep, órgão responsável por exames como o Enem.

Vélez disse que a imprensa passa uma imagem de que nada funciona no MEC, o que, segundo ele, não seria verdade. "Mentira se combate com fatos", disse o ministro.

"Os senhores saibam que o ministro vai encontrar a casa em ordem. Esse é nosso intuito", afirmou.

"Entrego meu cargo não com tristeza, mas com felicidade. Porque estamos entregando algo que está funcionando", ressaltou o ex-ministro.

​​Vélez defendeu a importância de ter iniciado um esquema de investigações no MEC, chamado de Lava Jato da Educação. Com nome de operação, a iniciativa consiste em um protocolo de colaboração do MEC com órgãos de controle e o Ministério de Justiça.

O ex-ministro ainda citou os planos para expansão de escolas militares, a elaboração da diretriz para uma nova disciplina de educação moral e cívica e ações das secretarias de Modalidades Especiais. Não fez, entretanto, referência à política nacional de alfabetização —única meta do governo para os 100 dias e que até agora não foi apresentada.

Após a fala de Vélez, o novo titular do cargo elogiou o ex-ministro e disse que sua saída não o desabonava. 

"O senhor sai pela porta da frente, sendo respeitado, um intelectual capaz, inteligente, que continua tendo as portas abertas no MEC", disse Weintraub.
O novo ministro ressaltou que chega para "decretar a paz" no MEC e quem não estiver de acordo, terá que sair. 

"Posso ter posições diferentes do que o presidente Bolsonaro acha. Tenho duas opções: ou obedeço ou caio fora. Não quer dizer que a gente é autoritário, a gente quer conversar", disse ele, "podem ser olavistas, militares, gente de esquerda".

Weintraub tem simpatia de olavistas e já defendeu usar o método do escritor para combater o comunismo. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.