Após boletins vazarem, ministro da Educação explica reprovações na USP

Imagens de seus boletins quando cursava economia circulam nas redes sociais

Marcela Leite
São Paulo | UOL

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou o Twitter hoje para comentar imagens de seus boletins do tempo em que estudou economia na USP (Universidade de São Paulo) que circulam nas redes. Ele confirmou a veracidade dos registros, que mostram uma média ponderada de 2,1 no primeiro semestre de 1989, com reprovações, e sem nenhuma presença ou nota no segundo semestre.

Ele conta que entrou na USP aos 17 anos e que seus três primeiros semestres na faculdade foram "um inferno".

"Meus pais se separaram, teve o plano Collor, minha família desmanchou, eu tive depressão e eu sofri um acidente horroroso e tive que colocar parafuso no braço. Eu fiquei seis meses sem poder escrever e só teve um professor que me deixou fazer prova oral", afirmou Weintraub, mostrando a cicatriz que ele diz ter 15 centímetros.

Levando em conta as reprovações, a média ponderada do ministro ao terminar o curso foi de 4,8, numa escala até 10. Ele foi reprovado em quase 40% das disciplinas em que se matriculou, conforme mostram os documentos. Sem as reprovações, o ministro se graduou com uma média de 7,0.

Apesar de confirmar que as notas são realmente dele, Weintraub questionou a forma como o histórico escolar foi obtido e chamou o ato de "ilegal".

Weintraub assumiu o ministério da Educação em 9 de abril, depois da saída de Ricardo Vélez Rodriguez, protagonista de uma crise com filhos do presidente Jair Bolsonaro e com o guru Olavo de Carvalho.

Em menos de um mês no comando da pasta, na última quinta-feira (30) ele declarou ao jornal O Estado de S. Paulo que vai cortar recursos de universidades que não apresentarem desempenho acadêmico esperado e promoverem "balbúrdia" em suas dependências.

De acordo com o ministro, instituições de ensino superior têm permitido em suas dependências eventos políticos, manifestações partidárias ou festas inadequadas ao ambiente universitário. "A universidade deve estar com sobra de dinheiro para fazer bagunça e evento ridículo", afirmou.

Ele disse que o que considera bagunça são, por exemplo, "sem-terra dentro do campus, gente pelada dentro do campus".

A fala do ministro gerou polêmica e universidades reagiram, defendendo a pluralidade de atividades dentro do espaço acadêmico.

Um dia depois da entrevista, Weintraub usou o Twitter para ironizar as manifestações dos representantes das instituições de ensino. "Para quem conhece universidades federais, perguntar sobre tolerância ou pluralidade aos reitores (ditos) de esquerda faz tanto sentido quanto pedir sugestões sobre doces a diabéticos", escreveu.

As declarações vieram depois de Bolsonaro publicar nas redes sociais que o governo reduziria investimentos nas áreas de filosofia e sociologia nas universidades. O objetivo, segundo o presidente, é focar em áreas que gerem "retorno imediato ao contribuinte."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.