Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Ministro afirma que convenceu Bolsonaro a manter cortes

Na Câmara, Weintraub contradiz líder do governo, Joice Hasselmann (PSL-SP)

Angela Boldrini Paulo Saldaña
Brasília

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, confirmou nesta quarta-feira (15) que recebeu uma ligação de Jair Bolsonaro, em que o presidente mandava recuar nos cortes em universidades, mas que conseguiu convencê-lo a manter os bloqueios de verba.

"A ligação eu vou explicar. Os deputados ouviram o presidente falando comigo, mas não eu falando com o presidente", afirmou o ministro. 

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, fala ao plenário da Câmara dos Deputados para explicar os cortes anunciados pelo governo no orçamento das universidades brasileiras
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, fala ao plenário da Câmara dos Deputados para explicar os cortes anunciados pelo governo no orçamento das universidades brasileiras - Pedro Ladeira/Folhapress

Segundo Weintraub, ele teria explicado ao presidente que não se tratavam de cortes, mas de contingenciamento de verbas. Assim, diz, Bolsonaro teria concordado em não recuar. 

A afirmação de que houve um pedido do presidente contradiz a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), e joga mais lenha na fogueira da Câmara. 

O telefonema foi feito na terça-feira (14), durante reunião que o presidente tinha com líderes dos partidos de PV, Pros, PSC, Avante, PSL e Cidadania. As siglas, apesar de independentes, ensaiavam aproximação com o governo. 

Os deputados relatam que Bolsonaro ligou para Weintraub e ordenou o recuo. Em seguida, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, entrou na sala para demover o presidente da ideia.

Na terça, o governo negou que haveria recurso, e a líder do governo chamou o relato de deputados de "boato barato". 

A frase inflamou os ânimos de parlamentares como Capitão Wagner (Pros-CE). O deputado criticou o governo e disse que "tudo vira fake news quando tem contradição com o governo". 

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que os parlamentares que relataram o telefonema "entenderam algo completamente desconectado da realidade" ou tinham interesses políticos.

A afirmação irritou o líder do PSL, delegado Waldir (GO), que estava presente na reunião. Em mais uma demonstração da falta de unidade do governo, o deputado agora ameaça apresentar convocação do ministro no plenário. ​

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.