Descrição de chapéu Coronavírus enem

Estudantes tentam se proteger da Covid ao encarar Enem e vestibulares

Preocupados com aglomerações, candidatos planejam usar até duas máscaras e não comer durante as provas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Eles estudaram de máscara dentro de casa, estão há meses sem ver os pais e deixaram de sair até mesmo para ir ao mercado. Com receio de perder os vestibulares por estarem contaminados com o coronavírus, estudantes adotaram medidas de isolamento mais rígidas nas últimas semanas.

Depois de terem sido adiados por causa da pandemia, os principais vestibulares do país acontecem agora no momento em que o país enfrenta uma escalada de casos e mortes pela Covid-19.

Em todos eles, o regulamento impede a participação de candidatos com sintomas ou suspeita da doença. No entanto, nos principais exames, como o Enem e Fuvest, não foi estabelecido nenhum mecanismo, como controle de temperatura dos inscritos, para evitar que pessoas infectadas acessem os locais de prova.

Por isso, estudantes, principalmente aqueles que vão fazer mais de um vestibular, temem ser infectados exatamente nos locais de prova. É o caso de Giovanna Cury, 18 anos, que tenta uma vaga em medicina e vai fazer 8 exames até o fim de janeiro.

Asmática, ela estava isolada em casa desde março, com saídas apenas para ir ao mercado. Mas, desde dezembro, quando fez vestibulares de faculdades particulares, passou a enfrentar situações de aglomeração.

A estudante Giovanna Cury, 18, que é asmática e tem medo das aglomerações causadas pelos processos seletivos  - Gabriel Cabral/Folhapress

“O momento em que mais me senti em risco durante a pandemia foi durante o vestibular. As pessoas ficam aglomeradas nos portões de prova, muitas sem máscara. Tenho receio pela minha saúde e também por perder as provas caso seja infectada”, diz.

Além da entrada tumultuada, ela teme que candidatos, com a doença ou suspeita dela, não deixem de ir fazer a prova. Por isso, planeja usar duas máscaras e não comer durante os exames para diminuir o risco de se contaminar.

“Testei em casa usar uma máscara por cima da outra e me acostumei. Nas provas que já fiz, eu só as abaixei rapidamente para beber água. Não tive coragem de comer nada.”

Gilberto Alvarez, diretor do cursinho da Poli, conta que, nas últimas semanas, muitos estudantes procuraram professores e orientadores para perguntar se devem fazer as provas. A principal preocupação deles é contrair o vírus e infectar os familiares.

“Muitos estão desesperançosos com a prova porque tiveram dificuldade de estudar, vivenciaram a perda de parentes, desemprego. Já estão desmotivados e agora enfrentam o medo da contaminação”, diz.

O cursinho orientou que façam as provas e redobrem os cuidados de higiene e distanciamento social. No entanto, Alvarez defende que um novo adiamento das provas seria a melhor opção, tanto do ponto de vista emocional dos candidatos, como para conter o avanço da pandemia no país.

O Enem, que tem quase 6 milhões de inscritos, é a prova vista como mais preocupante. Nesta sexta (8), a Defensoria Pública da União entrou com uma ação na Justiça Federal para o adiamento do exame.

“É falta de sensibilidade humana realizar uma prova com esse tamanho neste momento. Os jovens estão ansiosos, tiveram dificuldade de estudar e estamos no meio de uma segunda onda da doença”, diz Alvarez.

Com medo de ser infectada, Carla Souza, 20, está isolada em casa com os pais desde o início de dezembro. Ela pediu às irmãs para que não passassem o Natal juntos e está sem ver o namorado há mais de um mês.

“Estudei o ano inteiro, com todas as dificuldades que a pandemia trouxe, e tenho medo de não poder fazer as provas se ficar doente”, conta. Ela tenta uma vaga em direito na USP.

Ela estuda no cursinho Poliedro e recebeu a orientação de estudar de máscara em casa para se acostumar com a proteção. Para a adaptação, também tem feito exercício de respiração.

“Testei vários tipos de máscara até encontrar a que me deixasse mais confortável. Nas últimas semanas, tenho estudado todo o tempo com a proteção facial para não estranhar, mas ainda assim é um pouco incômodo.”

Vitor Ricci, coordenador do Curso Poliedro, diz que a ida ao vestibular tem sido o primeiro contato de grande circulação de muitos estudantes, já que a maioria preferiu continuar estudando em casa mesmo com a liberação para a reabertura parcial das escolas em São Paulo.

“Eles estão há meses se cuidando, se isolando para evitar o contágio, e precisam ir pela primeira vez a um local com muitas pessoas. Isso tem aumentado a ansiedade e medo dos alunos.”

O maior receio relatado é que pessoas doentes escondam os sintomas para não perder a data da prova e, portanto, a chance de uma vaga na universidade.

No vestibular da Unicamp, na última quinta (7), um candidato foi desclassificado após apresentar sintomas relacionados à Covid-19. O caso foi detectado após aferição de temperatura quando um fiscal suspeitou da doença, mas o procedimento não foi adotado para todos os participantes.

“Os vestibulares adotaram poucos procedimentos de segurança, a única garantia é da responsabilidade de cada um, o que é bem complicado em um processo seletivo tão disputado”, diz Tobias Prado, 20, que quer uma vaga em psicologia na USP.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.