Inglaterra quer proibir venda de bebidas energéticas a crianças

Além da cafeína, bebidas têm muito açúcar e calorias, podendo contribuir para a obesidade

Londres | AFP

O governo britânico quer proibir a venda de bebidas energéticas a crianças e adolescentes na Inglaterra e anunciou na quinta-feira (30) uma consulta pública sobre o tema.

Londres propõe a proibição da venda para menores de idade das bebidas com mais de 150 mg de cafeína por litro, casos das várias marcas famosas. 

 
Energéticos expostos em loja em Londres
Energéticos expostos em loja em Londres - Daniel Leal-Olivas/AFP

Vários distribuidores já proíbem a venda para menores de 16 anos, mas o governo prevê que todos os varejistas adotem a medida, para lutar contra a obesidade infantil e os problemas de saúde associados a seu consumo.

A consulta pública terá como objetivo determinar se a proibição deve ser aplicada a menores de 16 anos ou de 18 anos.

Mais de dois terços das crianças e adolescentes de 10 a 17 anos e 25% dos menores entre 6 e 9 anos consomem bebidas energéticas.

Uma lata de 250 ml de bebida energética pode conter 80 mg de cafeína —o equivalente a três latas de refrigerante— e em média uma lata desta bebida tem 60% a mais de calorias e 65% a mais de açúcar que uma bebida normal, de acordo com dados citados pelo governo.

"Milhares de jovens consomem regularmente bebidas energéticas, às vezes porque são mais baratas que os refrigerantes", afirmou a primeira-ministra Theresa May em um comunicado que anuncia a consulta.

"Temos a responsabilidade de proteger as crianças dos produtos que afetam a sua saúde e educação", completou no mesmo comunicado o secretário de Estado para a Saúde Pública, Steve Brine. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.