Playoffs da NFL opõem veteranos vitoriosos a novatos em ascensão

Fase decisiva da liga de futebol americano dos EUA reúne estrelas com currículos variados

Daniel E. de Castro
São Paulo

Os playoffs da NFL, fase em que a temporada da principal liga de futebol americano dos Estados Unidos chega ao auge, com a definição dos participantes do Super Bowl, começam neste sábado (5) e apresentam um elenco variado de estrelas.

Os quarterbacks, atletas que armam as jogadas de ataque e são os principais astros do esporte, titulares das 12 equipes classificadas ao mata-mata têm idades que variam de 21 a 41 anos. Há quem esteja perto da 20ª temporada na NFL e também um calouro, em seu ano de estreia na liga.

O mais velho é Tom Brady. O quarterback do New England Patriots foi ao Super Bowl 8 vezes e ficou com o título em 5 delas. Ele é o recordista de participações e vitórias na partida decisiva entre os jogadores da sua posição.

Quem também faz parte da turma de veteranos é Drew Brees, 39, do New Orleans Saints. Ele foi campeão da NFL em 2009. Já Philip Rivers, 37, do Los Angeles Chargers, ainda busca sua primeira participação no Super Bowl.

Mais novos, mas já com bagagem acumulada, Russell Wilson (Seattle Seahawks), 30, Nick Foles (Philadelphia Eagles), 29 e Andrew Luck (Indianapolis Colts), 29, formam o grupo intermediário. Wilson, em 2013, e Foles, em 2017, já foram campeões.

Luck chegou à liga como primeira escolha do draft (processe de recrutamento) em 2012 e levou seu time aos playoffs nos três primeiros anos. Em 2015 e 2017, porém, ele sofreu com lesões. Volta agora com o time em bom momento. Dos últimos 10 jogos, o Indianapolis Colts ganhou 9.

Metade dos quarterbacks que conduzirão suas equipes neste mês está no máximo em sua terceira temporada na liga. O mais novo é Lamar Jackson, 21, do Baltimore Ravens. Ele substituiu Joe Flacco, campeão em 2012, que se lesionou no meio da temporada. Jackson perdeu só 1 das suas 7 partidas como titular.

Na lista dos jovens, porém, ninguém se destacou mais do que Patrick Mahomes, 23. Em seu segundo ano na NFL e primeiro como titular, o jogador do Kansas City Chiefs tornou-se o segundo na história da liga a dar 50 passes para touchdown e ultrapassar 5.000 jardas com lançamentos para companheiros.

Apenas o bicampeão e atualmente aposentado Peyton Manning fez o mesmo, em 2013, quando defendia o Denver Broncos e tinha 37 anos.

Mahomes é a sensação da temporada não apenas pelos seus números. Reportagem recente do The New York Times o comparou aos astros da NBA Stephen Curry e Magic Johnson pela capacidade de improvisar e mudar a forma como o esporte é praticado.

“Móvel, de braços fortes e dotado de uma notável capacidade de completar lances que outros não ousariam tentar, Mahomes não representa o novo protótipo para a posição, mas sim o ideal de como o futebol é jogado em 2018 e talvez além”, diz trecho do texto publicado pelo jornal.

Liderado por ele, o Kansas City Chiefs montou um ataque fulminante —sua pior marca em uma partida foi 26 pontos— e fez a melhor campanha da conferência americana. Inicia os playoffs como favorito a chegar ao Super Bowl, embora tenha perdido 2 dos últimos 4 jogos.

Uma das derrotas foi para o Los Angeles Chargers, rival de divisão que fez campanha igual (12 vitórias e 4 derrotas) à do Chiefs, mas ficou atrás nos critérios de desempate.

Assim como o time de Kansas, o New England Patriots entra nos playoffs direto nas seminais da conferência americana, alimentando expectativas para um duelo de gerações entre Tom Brady e Mahomes pela vaga no Super Bowl.

Já na conferência nacional, as melhores campanhas são de New Orleans Saints e Los Angeles Rams, com 13 vitórias e 3 derrotas. Caso confirmem o favoritismo e disputem a outra vaga na decisão, o duelo também será marcado pela diferença geracional.

De um lado Drew Brees, em busca do segundo título na sua 18ª temporada na NFL. Do outro Jared Goff, que aos 24 anos faz sua terceira participação.

Com 11 partidas de mata-mata, incluindo o Super Bowl, em quatro fins de semana, os playoffs são o momento em que o público brasileiro passa a acompanhar mais de perto o futebol americano.

Segundo a ESPN, que transmite com exclusividade os jogos da NFL na TV brasileira, na última edição a audiência da fase decisiva foi 79% maior do que a média registrada na temporada regular.

Erramos: o texto foi alterado

Versão anterior do infográfico usou incorretamente o símbolo do Super Bowl 52. A próxima final da liga de futebol americano dos EUA será o Super Bowl 53.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.